SPONSORS:

Casa de Viver, um coworking onde pais e mães trabalham perto dos filhos

- 11 de maio de 2016

Nome:
Casa de Viver.

O que faz:
A empresa tem um coworking familiar, com espaço para receber crianças enquanto mães e pais trabalham. A casa fica no bairro da Vila Mariana, em São Paulo.

Que problema resolve:
A solução busca ajudar pais e mães que não querer se isolar dos filhos pequenos para trabalhar, estimulando o vínculo na primeira infância e oferecendo uma alternativa às creches.

O que a torna especial:
O principal objetivo da Casa de Viver é oferecer uma experiência como uma “aldeia contemporânea”, na qual os profissionais não abrem mão do networking para ter a companhia dos filhos.

Modelo de negócio:
A empresa vende pacotes de horas para utilização do coworking e do espaço de recreação infantil, além de ter produtos próprios voltados para o desenvolvimento profissional de mães empreendedoras, como eventos de networking e cursos sobre ferramentas de negócios.

Fundação:
Fevereiro de 2015.

Sócias:
Carina Lucindo Borrego – Gestora de comunidade
Fernanda Santiago Torres – Gestora de Produtos

Perfil das fundadoras:

Carina Lucindo Borrego – 36 anos, São Paulo (SP) – formada em Letras pela USP. Além de gestora na Casa de Viver, também é tradutora, tendo feito trabalhos como freelancer para a What’s Your Tree.

Fernanda Santiago Torres – 37 anos, São Paulo (SP) – formada em Psicologia pela Universidade São Judas Tadeu e pós-graduada em Economia e Gestão das relações de Trabalho pela PUC-SP. Trabalhou como gestora estratégica em agência de eventos antes da Casa de Viver.

Como surgiu:
A ideia veio de uma necessidade pessoal da Carina, que na época trabalhava em um escritório de advogados, e estava tendo dificuldade de conciliar o trabalho com o tempo que tinha para ficar com a filha, até então com cinco anos. Como já vinha pesquisando sobre coworking fazia algum tempo, surgiu a ideia de um coworking em que fosse possível trabalhar e estar perto dos filhos ao mesmo tempo, e ainda integrar os aspectos que acabam ficando divididos.

Estágio atual:
Depois de prototipar o modelo por um ano e dois meses, as sócias estão mudando para uma casa maior, com mais espaço verde, ateliê compartilhado e o dobro das estações de trabalho – agora serão 30. Atualmente, há 10 residentes no coworking. “Estamos iniciando a abordagem B2B para que as empresas possam reter o talento feminino oferecendo uma transição para que as mães retornem da licença maternidade trabalhando remotamente na Casa de Viver, logo após o término da licença no período da primeiríssima infância do bebê”, diz Carina.

Aceleração:
Passaram pelo terceiro ciclo de aceleração da Yunus Negócios Sociais entre maio a julho de 2015.

Investimento recebido:
O investimento inicial foi feito com capital próprio, e recentemente surgiu um novo aporte, com a venda de parte do capital social.

Necessidade de investimento:
Há necessidade para ampliar o negócio e montar uma segunda Casa de Viver.

Mercado e concorrentes:
As sócias não citam concorrentes diretos na região, apenas berçários, espaços de coworking tradicionais e espaços de brincar. Em São Paulo também há a Casa Laço,

Maiores desafios:
A falta de capital de giro. Carina e Fernanda ainda planejam criar um braço social da Casa de Viver, oferecendo capacitação para mães empreendedoras informais.

Faturamento:
O último faturamento foi de 15 mil reais.

Previsão de break-even:
Em dois anos.

Visão de futuro:
“Queremos mostrar para a sociedade que existem formas de trabalhar e viver a maternidade em equilíbrio. Criar uma rede de espaços de coworking familiar por São Paulo e pelo Brasil, para que essa opção seja acessível para um número cada vez maior de mulheres. É possível para as mães serem produtivas sem abrir mão de estar perto dos filhos”, diz Carina.

Onde encontrar:
Site
Contato

 

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

4167 Total Views 1 Views Today
Veja também:

“As mulheres não precisam ser mães. E se optarem pela maternidade, não podem ser reduzidas a essa condição”

- 11 de outubro de 2019

A Casa B2Mamy abre as portas para ajudar as mães empreendedoras a manter seu networking aquecido

- 16 de setembro de 2019

Mãe, empreendedora e longe da perfeição: Dani Junco é o Retrato da Semana

- 23 de agosto de 2019

Ter filhos e, assim, entender melhor os pais: Marcelo Candido Melo é o Retrato da semana

- 9 de agosto de 2019