SPONSORS:

Com o iDEXO, a TOTVS quer levar a Indústria 4.0 às pequenas e médias empresas

- 18 de outubro de 2018
Angela Gheller, diretora de Manufatura e Logística da TOTVS: encarregada de ajudar na transformação digital de 6 mil clientes

A biometria facial dá início a uma coreografia milimétrica. Com sua identidade autenticada, o solicitante – um ser humano, em breve participação – seleciona, no totem, as configurações do produto, cujas dimensões podem ser customizadas na hora. O software de gestão (o célebre ERP) emite uma ordem de produção e se integra com o sistema TOTVS MES (Manufacturing Execution System); sob seu comando, máquinas se comunicam entre si, separando, soldando e encaixando peças conforme o roteiro pré-programado. Enquanto novos pedidos vão sendo processados, um indicador de eficiência detalha a performance em tempo real.

Esse “balé robótico” podia ser apreciado, em abril, pelos visitantes da FEIMEC 2018 (Feira Internacional de Máquinas e Equipamentos), no pavilhão da São Paulo Expo. Trata-se de um Demonstrador da Indústria 4.0, uma iniciativa pioneira da TOTVS em conjunto com a Abimaq (Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos), o SENAI e outros parceiros do setor de tecnologia. Há um demonstrador permanente da Indústria 4.0 no SENAI São Caetano.

“Hoje se fala muito de Indústria 4.0, ou Manufatura Avançada”, diz Angela Gheller, diretora de Manufatura e Logística da TOTVS. “O que é isso? Basicamente, é você ter o chão de fábrica todo automatizado, gerando informações para que o gestor tome decisões mais rápidas e seguras.”

Angela está baseada na TOTVS Santa Catarina, em Joinville, onde vive desde a época do vestibular em Informática, nos anos 1990 (ela é natural do Meio-Oeste do estado). Ser uma mulher em um setor ainda hoje de forte predominância masculina nunca foi encarado como um empecilho. “Acaba sendo como qualquer profissão”, diz. “É muito do perfil da pessoa.” Hoje, ela tem a missão de ajudar na transformação digital de 6 mil clientes dos segmentos de manufatura e logística.

“Falando de manufatura, hoje o nosso principal desafio é levar essas soluções da Indústria 4.0 para os empresários”, diz a diretora. Daí a importância de ilustrar esse discurso com os testbeds, reproduções de uma fábrica em escala de laboratório, como o Demonstrador da Indústria 4.0 apresentado na FEIMEC. “Colocamos os sistemas da TOTVS para rodar e levamos empresários para entender o que se pode automatizar.”

Segundo a Abimaq, um produto fabricado no Brasil chega a ser 30% mais caro do que um similar produzido nos Estados Unidos. A competição global exige indústrias cada vez mais inteligentes. Nesse contexto, pequenas e médias empresas com um pátio fabril industrializado, porém antigo, se veem na urgência de compensar sua defasagem, informatizando toda a fábrica – o que frequentemente é inviável.

Para simplificar a vida das PMEs (que são 54,5% de seus clientes de manufatura), a TOTVS começou a oferecer uma assinatura mensal que permite contratar soluções com um baixo custo inicial, em um modelo semelhante aos serviços de streaming.

“Assim como no Netflix você tem acesso a todas as séries e filmes do catálogo, nós lançamos uma modalidade por assinatura com todas as nossas soluções. Dessa forma, os clientes podem ir compondo sua transformação digital e caminhando rumo à Manufatura 4.0.”

Soluções disruptivas que ampliem a expansão da Indústria 4.0 para englobar as pequenas e médias empresas são a principal expectativa de Angela com relação ao iDEXO, o hub de desenvolvimento de negócios entre corporações e startups que tem a TOTVS como associada:

“Esperamos que o iDEXO nos traga inovações em nichos de mercado, soluções novas que possamos ‘plugar’ com nossas próprias soluções e que tragam inovações no ecossistema da TOTVS”, diz Angela.

O barateamento de tecnologias (dispensando as PMEs da necessidade de um extenso retrofit para atualizar seu maquinário) é uma das vertentes que a TOTVS vê com grande interesse. “Se tivéssemos um sensor para pequenas e média empresas que seja barato e consiga dar informações precisas, isso seria um ganho para o cliente.”

Uma vez coletadas, essas informações podem ser analisadas com ajuda da Carol, a plataforma de inteligência artificial – desenvolvida no laboratório da TOTVS no Vale do Silício – que vem sendo embarcada nos sistemas de gestão da companhia. A diretora de Manufatura e Logística ilustra seus benefícios citando o caso de uma empresa que tinha vinte pessoas dedicadas a estimar a provável taxa de churn (perda de clientes num determinado período), com média de 30% de acerto.

“Com a Carol, chegamos a 70% de acerto. É um exemplo do que fazemos em inovação: reunimos todas as informações, do ERP e de outras fontes, trazemos para a base da Carol, e conseguimos passar essa análise para o nosso cliente, com inputs para tomadas de ação de forma que ele não perca os seus próprios clientes.”

Ficaram no passado aqueles dias em que planilhas eram alimentadas manualmente e os softwares de gestão estavam restritos ao back-office, às tarefas administrativas sem relação com a atividade-fim da empresa. Hoje, sistemas como o TOTVS MES permitem o monitoramento online do maquinário e insights instantâneos de fatores que incrementam (ou comprometem) a produtividade, tornando a manufatura mais inteligente e impulsionando a eficiência da indústria para um novo patamar.

Manufatura é apenas uma das áreas em que o iDEXO está atuando (ao todo, a TOTVS oferece soluções em 12 segmentos). Seja qual for o setor, Angela tem um recado para os empreendedores interessados em ingressar no hub e fazer negócios com a multinacional brasileira de tecnologia. A mensagem é simples: foco no cliente.

“Eu diria para eles pensarem hoje – olhando para frente, para daqui a dois, três anos – nas ‘dores’ dos seus clientes, e em soluções que sejam realmente produtivas.”

Veja também: