SPONSORS:

Como fazer uma newsletter que todo mundo quer abrir?

- 27 de agosto de 2019
Três a quatro segundos. Esse é o tempo que você tem para chamar a atenção de quem recebe um e-mail seu para que a pessoa abra sua mensagem. Confira nossas dicas para deixar seu cliente feliz ao ver uma mensagem sua na caixa de entrada.

O envio de boletins informativos é uma ótima maneira de estreitar laços e criar uma relação mais íntima com clientes, mas há alguns detalhes importantes para que essa interação funcione. Afinal de contas, você não vai querer que seu e-mail seja apenas mais um na caixa de entrada das pessoas, certo?

Fazer com que assinem a sua newsletter é tarefa até fácil. Difícil mesmo é criar conexão com essas pessoas de maneira que elas não cancelem a assinatura na primeira oportunidade, ou mesmo nunca abram a sua mensagem. A grande questão é apresentar um conteúdo interessante e relevante, de maneira atraente e fluida, no momento certo.

Parece muito complicado? Não é! Reunimos aqui oito dicas para te ajudar a potencializar sua newsletter. Vamos a elas?

 

1. Newsletter não é e-mail marketing

Há uma confusão tão comum quanto nociva quando se trata de newsletter: entendê-la como sinônimo de e-mail marketing. O objetivo de uma boa newsletter é fornecer um conteúdo exclusivo para seu público que junte aquilo de interessante que você, empresa, tem a oferecer como conhecimento, ao que é relevante para as pessoas.

Por isso, nada de enviar cupons de desconto, promoções ou falar exaustivamente sobre o próprio negócio. Tudo isso é da alçada do e-mail marketing.

Lembre-se: se sua newsletter parecer uma propaganda, não será nem aberta.

Para criar conexão com seu público, você pode focar em perguntas e demandas que vão ser respondidas no conteúdo. Por exemplo: se você tem uma loja online de roupas femininas, é mais interessante abordar na sua newsletter assuntos no estilo “Como cuidar corretamente de cada tipo de tecido?” e “Como usar acessórios para transformar um look?” do que divulgar seus lançamentos. Outra possibilidade é usar a newsletter para levar seu público para um Grupo exclusivo no Facebook, onde será possível conversar com outros assinantes e gerar mais envolvimento das pessoas com a sua marca.

 

2. Segmente seu público

Ao pedir para que alguém assine a sua newsletter, você tem a possibilidade de qualificar seu público, o que é decisivo para o sucesso do conteúdo que você vai entregar. Portanto, em vez de solicitar apenas o endereço de e-mail, peça também algumas outras informações (sempre em múltipla escolha para ser mais fácil sistematizar) que te ajudem a conhecer melhor seus interlocutores. Tome cuidado para não criar longos questionários, pois eles não serão respondidos.

Cada negócio vai demandar um conjunto de dados específico. Se você tem uma clínica de estética, faz sentido perguntar pela idade: assim você fornece conteúdo relevante sobre dilemas e procedimentos de uma faixa etária específica.

 

3. Não trate todo mundo do mesmo jeito

Um dos maiores erros na produção e envio de newsletter é tratar todas as pessoas da sua audiência como iguais. Se o seu assinante receber boletins amplos demais e com assuntos que passam longe do seu interesse, aquele material não será relevante. Quanto mais personalizada a newsletter for, melhor, porque cria uma relação de proximidade com o público, que pensa: “legal, essa marca entende exatamente o que quero saber!” Por isso, a partir da triagem feita com as perguntas no momento da assinatura, é possível categorizar grupos de pessoas para entregar um conteúdo condizente.

Suponhamos que você tenha uma pequena clínica veterinária. A newsletter que você vai enviar para alguém que só tem cachorros é diferente da que você vai mandar para os assinantes apaixonados por gatos. Quem tem os dois vai ficar feliz em ler tanto um conteúdo como “Dicas para criar um circuito de parede em casa para gatos” quanto “Como identificar sinais de displasia no seu cão”. Ou seja: só aí, há três grupos: 1) donos de cachorros, 2) donos de gatos, 3) donos de cachorros e de gatos. A partir disso, personalize.

 

4. Defina temas a partir das redes sociais

Acha difícil encontrar assuntos interessantes para a newsletter? Sua Página de Facebook e Perfil de Instagram estão aí para ajudar! Acompanhando as métricas nessas plataformas, você consegue entender que tipos de postagem agradam mais e quem são as pessoas interessadas nelas. Se uma foto despretensiosa dos bastidores <link para conteúdo dos bastidores> da fabricação de um anel na sua joalheria artesanal fez mais sucesso do que você pensava, que tal abordar na newsletter o assunto de maneira aprofundada?

Atenção: uma dica preciosa é perseguir os detalhes, muitas vezes escondidos nas interações.

Vamos supor que uma amiga marcou a outra no post da sua loja online de objetos de decoração. Na conversa, ela pergunta se a outra acha que aquela almofada amarela da foto ficaria boa no sofá azul marinho que já tem. É daí que vai surgir a inspiração para um conteúdo sobre como combinar cores em ambientes. Além disso, os Stories do Instagram também são um ambiente privilegiado para saber o que o público quer.

Que tal pedir sugestões de temas para a próxima newsletter ou mesmo promover enquetes com duas opções de assuntos? Além de facilitar a produção do boletim, ainda vai criar expectativa nas pessoas que te seguem e intensificar a interação.

 

5. Crie conteúdos exclusivos

Apesar de muitas pautas derivarem das redes sociais, a newsletter precisa trazer informações ainda não trabalhadas. Ou seja: seus posts de Instagram e Facebook devem servir de ponto de partida, mas a apresentação precisa ser diferente. Uma maneira de fazer isso é repensar formatos: se o sucesso no seu perfil de dentista foi um vídeo no IGTV falando sobre quais alimentos mancham os dentes, a newsletter pode trazer o mesmo tema em outra linguagem, como infográfico, por exemplo, com dicas adicionais.

Além de exclusiva, uma boa newsletter também é objetiva.

Se ficar muito extensa, vai assustar quem abrir o e-mail. Por isso, mostre o assunto de maneira aprofundada, mas vá direto ao ponto. A newsletter compacta atende à demanda de agilidade das pessoas, especialmente na era mobile.

Opte por trabalhar com, no máximo, até três assuntos por edição. Há a opção, inclusive, de abordar um conteúdo por vez, o que te dá mais mobilidade para desdobrá-lo e usar recursos, como imagens, gifs, e por aí vai.

 

6. O volume define a periodicidade

A newsletter precisa de uma periodicidade uniforme para criar um hábito nas pessoas. Mas esses intervalos devem ser definidos a partir de assuntos realmente relevantes que uma marca tem para falar. É preferível entregar uma boa newsletter quinzenal ou até mesmo mensal do que encher a caixa de e-mail das pessoas toda semana com temas que não têm apelo. Quando for planejar o seu calendário, tenha isso em mente.

Não se esqueça de já incluir na programação as datas comemorativas importantes para o seu negócio, que podem gerar boletins temáticos interessantes.

 

7. Crie um layout agradável

Se os posts de redes sociais até suportam uma dose de amadorismo, com imagens mais caseiras, não podemos dizer o mesmo de uma newsletter. Quem assina espera uma apresentação profissional e diferenciada. Isso quer dizer atenção às cores, organização das informações, uso de recursos como imagens, gifs e por aí vai.

Por exemplo: textos em longas linhas horizontais não funcionam bem para a newsletter: é preferível trabalhar com colunas, considerando que ela provavelmente será lida pela tela do celular. Da mesma maneira, imagens muito pesadas vão comprometer o carregamento. Ainda, a falta de uma identidade visual ou de linguagem vai fazer com que a sua newsletter não se destaque na multidão.

 

8. Facilite a leitura

Isso quer dizer que quem abrir o e-mail deve conseguir entender, com uma passadinha de olho geral, o que aquele conteúdo propõe informar, quais são os pontos principais, como eles se relacionam. Para isso, existem alguns recursos que podem ajudar.

Primeiro: escolha um título interessante para a newsletter, que chame atenção ao aparecer como “assunto” na caixa de entrada do seu público – mas nada de criar uma expectativa que não será cumprida no conteúdo e deixar seu cliente insatisfeito! Vale trabalhar com blocos de texto, lista em tópicos, box para dividir informações e negrito em trechos que você deseja destacar no texto.

 

O post original desta publicação está aqui. O Facebook Para Empresas quer orientar e empoderar micro, pequenos e médios empreendedores no Brasil. Você pode conhecer mais acessando facebook.com/business, a Página Facebook Para Empresas ou o brand channel do Facebook no site do Draft.

1973 Total Views 4 Views Today
Veja também:

Ela tomou coragem e expôs a dor do abuso: Dora Figueiredo é o Retrato da semana

- 6 de setembro de 2019