SPONSORS:

Como o Colab, uma rede social focada na zeladoria urbana, cresceu e se tornou um negócio lucrativo

- 17 de setembro de 2018
Gustavo Maia e Paulo Pandolfi (da dir. para a esq.) querem que o Colab ajude as cidades a terem uma gestão mais colaborativa e eficiente.

Estimular uma gestão pública colaborativa, mais transparente e eficiente é o principal objetivo do Colab, aplicativo que conecta cidadãos às prefeituras para a resolução de problemas. O negócio nasceu em 2013 a partir da experiência dos sócios Paulo Pandolfi, 35, e Gustavo Maia, 34, no trabalho com marketing político. Os dois se conheceram na faculdade de Publicidade e foram sócios em uma agência de marketing digital no Recife. Lá, além das empresas privadas, trabalhavam em campanhas políticas no período eleitoral.

Em 2012, durante uma delas, começaram a pensar em um programa de governo colaborativo. Usaram o Facebook para fazer enquetes, conseguiram um alto índice de engajamento e perceberam que as pessoas queriam participar da tomada de decisão das cidades. Foi aí que o negócio começou, sem nenhum investimento inicial, segundo Gustavo, uma vez que ele foi criado como um projeto dentro da empresa que já existia.

Para os cidadãos, o Colab funciona como uma rede social semelhante ao Instagram, porém focada principalmente na zeladoria urbana. No seu perfil, a pessoa pode postar fotos de problemas da cidade (buracos na rua, iluminação pública, esgoto a céu aberto, mato alto e praças abandonadas etc.)  e solicitar uma solução. Em cada postagem é possível acompanhar quando a prefeitura recebeu a notificação e se o pedido foi ou não solucionado. Todas essas informações ficam disponíveis nas postagens. Na outra ponta, a prefeitura acessa essas reclamações e tem uma solução de tecnologia em nuvem para dar andamento às solicitações.

A plataforma tem um sistema de fluxo de trabalho em que cada etapa do atendimento é registrada até a conclusão. Com isso, além de agilizar o atendimento, a prefeitura tem acesso a todos os dados que são gerados a partir das reclamações, como regiões onde estão os problemas, tempo de assistência, recorrência, solução etc.

Desde 2016, o Colab tem também uma ferramenta para que as prefeituras abram consultas sobre questões da cidade, o que ajuda na tomada de decisão e na coleta de dados. “Essa ferramenta tem vários formatos e gera muitos dados que ajudam a fazer uma gestão melhor com a participação do cidadão. Quanto mais ele participar, menos a prefeitura vai errar, e quanto menos ela errar, melhor para o governante e para as pessoas”, diz Gustavo.

O fato das pessoas estarem sempre com o celular na mão e poderem rapidamente responder a um questionário sem precisar sair de casa ajuda a aumentar o engajamento. “O Orçamento Participativo de Santos, por exemplo, teve 300 pessoas participando em 2015. No ano seguinte, com o Colab, foram 10 mil”, conta o fundador. Hoje, a plataforma tem 200 mil cadastros.

PARA GANHAR MERCADO, O SERVIÇO COMEÇOU DE FORMA GRATUITA

Quando foi lançado, em 2013, o Colab não tinha nenhuma prefeitura cadastrada. As necessidades dos cidadãos eram coletadas pela empresa e enviadas para a administração pública pelos canais de atendimento tradicionais, como site e email. Ainda assim, o sistema foi eleito “o melhor app urbano do mundo” pela NewCities Foundation (organização internacional sem fins lucrativos dedicada a melhorar a vida nas cidades) e os sócios conseguiram o aporte de um fundo de investimento antes mesmo de terem algum contrato. Com o dinheiro em caixa, eles tomaram a decisão de oferecer os serviços gratuitamente às prefeituras. “A gente precisava provar que o negócio funcionava e que valeria a pena estar dentro da plataforma”, conta Gustavo.

No Colab, o cidadão faz sua reclamação e a prefeitura interage e avalia as solicitações.

A primeira prefeitura que adotou o Colab oficialmente – e gratuitamente – foi Curitiba. “Depois vieram outras 50 no mesmo ano. Isso foi bom porque a gente cresceu e ganhou no market share, mas péssimo porque precisávamos atender melhor, evoluir e não tínhamos receita.”

Nesse período, veio um dos primeiros reveses da empresa: o fundo teve um problema e o dinheiro foi cortado. “Essa época foi dificílima. A gente precisava vender e não conseguia. Fomos levando até o fim de 2014 desta forma, atendendo as prefeitura que já estavam na plataforma, mas foi um momento em que pensamos que o negócio ia quebrar.”

Um contrato com a organização social Comunitas, no começo de 2015, para atender as cidades de Santos e Campinas, ambas em São Paulo, e Pelotas, no Rio Grande do Sul, injetou dinheiro na empresa e deu ânimo aos empreendedores. O contrato — pelo qual a Comunitas contratou o Colab e doou o serviço às prefeituras — deu ao app, durante um ano, fôlego para entender e se preparar para um grande desafio: encontrar um modelo de venda para a administração pública.

Foram necessárias muitas consultas a advogados sobre o melhor jeito de se colocar legalmente. Uma das preocupações era não cair na licitação direcionada, o que é considerado crime. Os contratos do Colab com o setor público são feitos dentro do modelo de inexigibilidade (quando a administração pública não realiza um processo licitatório em virtude da competição ser inviável por não haver serviços comparáveis no mercado). “É uma contratação por exclusividade e notória especialização”, fala Gustavo.

A primeira prefeitura a firmar um contrato foi a de Teresina, em dezembro de 2015. Hoje, estão no portfólio pago da empresa as cidades de Recife, Ipojuca (PE), Niterói (RJ), Mesquita (RJ), Maceió, Aracaju, Cruz Alta (RS), Santo André (SP) e Juiz de Fora (MG). Aquelas prefeituras que entraram gratuitamente (cerca de 100) continuam na plataforma, porém de forma limitada, sem acesso aos novos módulos e recursos.

O valor dos contratos varia de 38 mil a 500 mil reais por ano. Gustavo conta que o preço é calculado levando-se em conta a população da cidade e a quantidade de módulos contratados. “Nosso preço se baseia no tamanho do serviço contratado e no tamanho da cidade. O preço por habitante varia entre 40 centavos e 1,50 real. Em uma cidade grande, o valor por habitante é mais barato porque ganhamos escala.” Existe também a possibilidade de ter uma consultoria presencial da equipe Colab sobre a gestão colaborativa e o uso da ferramenta, ou somente online, feita via Skype. Em 2017, o faturamento da empresa foi de 1 milhão de reais e a previsão para este ano é de 2,5 milhões de reais.

EM UMA PLATAFORMA COLABORATIVA, A GESTÃO PRECISA SER COMPARTILHADA

Gustavo considera que 2017 foi o ano da virada do negócio, quando o Colab entendeu o seu papel no mercado e fez mudanças de gestão que ajudaram a melhorar e alavancar a plataforma, como fala:

“Sempre nos colocamos como um negócio de tecnologia para o cidadão, mas neste último ano, entendemos que vendemos inovação para o governo”

Junto com o esse entendimento, veio uma necessidade de cortar os custos da empresa para focar em vendas. “O nosso crescimento não veio junto com os investimentos. A gente estava gastando o dinheiro dos investidores, mas não tinha contrato suficiente para a hora que ele acabasse”, diz. E continua: “Percebemos que já tínhamos um produto bom e precisávamos focar em como vender. Então, trouxemos o marketing para dentro do time de vendas”.

 

Versão do monitor do Colab oferecida para as prefeituras para o controle das notificações feitas pelos cidadãos.

Para estimular a equipe, eles passaram a ter “rituais internos” como a reunião “A Ponte”. “A cada seis meses, a gente faz um planejamento estratégico em algum lugar fora do escritório, quando os próprios colaboradores definem os desafios daquele período.” Gustavo diz que esses rituais de gestão mudaram o negócio e, em 2018, foram fechados sete contratos novos, além de renovados os que já existiam:

“Construímos uma cultura de colaboração, definimos nossos valores. É uma gestão mais horizontalizada, mas cobramos no resultado”

Hoje, os funcionários são vistos como empreendedores e, por isso, toparam participar da aceleração da Estação Hack, uma parceria da Artemisia com o Facebook. “Era muito importante que esse negócio se reinventasse. Uma aceleração é sempre focada no empreendedor e temos vários empreendedores dentro do Colab. Hoje, eles não são acionistas, mas serão um dia. Então, achamos válido estar neste processo. Além disso, é uma aceleração em que a gente fica dentro de um coworking, trocando com muitas pessoas”, afirma Gustavo.

ELES QUEREM ATUAR MUITO ALÉM DOS MUNICÍPIOS

Gustavo conta que, em 2013, quando o Colab começou, já havia a previsão de usar gamificação dentro da plataforma. A ideia começa a ser colocada em prática agora, cinco anos depois, com um sistema de pontuação e desafios que estimulem a participação dos usuários. “A gamificação é importante pra melhorar o engajamento e motivar os cidadãos.”

Outra ideia que já está em construção e tem a ver com um plano futuro é tornar o negócio um marketplace para serviços públicos, como compra de Zona Azul, pagamento de IPTU etc. “O Colab é uma plataforma única em todas as cidades, então, queremos abrir a possibilidade para outras esferas de serviço, inclusive, governo estadual e federal.”

Para estar cada vez mais alinhado com todos esses propósitos, Gustavo está fazendo uma pós-graduação em Administração Pública e acredita na importância de ter pessoas que entendam do assunto dentro da empresa. “Lá no começo, não tínhamos ninguém dessa área no time. Hoje, são quatro pessoas”, conta.

Empreendedor nato (ele já teve uma construtora e um site de compras coletivas, além da agência de marketing digital), Gustavo diz que a sede por novos projetos pode atrapalhar a vida de um fundador. Por isso, decidiu que só vai empreender dentro do Colab. Ele fala mais a respeito:

“É fácil se entusiasmar por uma ideia nova: não há impeditivo e aquilo traz um sentimento de euforia. Aí você vai para o mercado, vê que não vai rolar, tem outra ideia e começa tudo de novo. Isso dispersa demais”

Ele acredita que, um dia, todas as prefeituras estarão no Colab e, por isso, aposta alto no próprio negócio, mas sabe que é preciso muito trabalho para que haja uma mudança de paradigma dentro da gestão pública, de mais abertura dos gestores para ouvir os cidadãos e, também, de entendimento dos cidadãos de que não basta apenas reclamar — é preciso participar.

DRAFT CARD

Draft Card Logo
  • Projeto: Colab
  • O que faz: Conecta cidadãos às prefeituras
  • Sócio(s): Gustavo Maia e Paulo Pandolfi
  • Funcionários: 18
  • Sede: São Paulo
  • Início das atividades: 2013
  • Investimento inicial: Não teve
  • Faturamento: R$ 1 milhão (em 2017)
  • Contato: contato@colab.re
Veja também:

O que empreendedores sociais e criativos aprenderam na arena da campanha presidencial 2018?

- 10 de dezembro de 2018
1805 3 0

A Omunga cria bibliotecas na África e no sertão do Brasil com doações e vendas de camisetas e material temático

- 26 de novembro de 2018
4599 6 0

Como, em menos de dois anos, o Instituto Procomum viu seus projetos de transformação social ganharem peso

- 22 de novembro de 2018
1894 4 0