SPONSORS:

Como o Conexões RS, grupo de compra e venda no Facebook, virou uma loja colaborativa em Porto Alegre

- 11 de abril de 2018
Mauren Motta transformou o grupo digital de empreendedores Conexões RS na loja colaborativa Conexões RS Co+Lab.

A jornalista gaúcha Lisiane Zucco, 57, vende capas de sofá e almofadas há 20 anos e chegou a ter uma loja no ramo em um shopping center em Porto Alegre, a Decorcapas. Em 2016, no mesmo ano em que encerrou as atividades do estabelecimento, abriu uma página de venda no Facebook e, convidada por uma amiga, entrou no Conexões RS, grupo na rede social dedicado a divulgar produtos e serviços fornecidos por empreendedores gaúchos — e que acaba de se transformar em uma loja física, se tornando um ainda tímido, mas inspirador, exemplo de como uma iniciativa online pode “saltar” e se tornar um negócio efetivo, no offline.

Em setembro passado, um de seus posts oferecendo capas de almofadas viralizou. A publicação teve mais de 700 reações e 150 comentários. “Fechei pelo menos 20 pedidos”, conta. De acordo com Lisiane, se tornar membro do grupo foi “uma benção” para os negócios. “Desde 2015, as vendas da Decorcapas estavam em queda livre. Por isso, precisei fechá-la e recorrer à rede social. Hoje, 80% dos pedidos que recebo vêm do grupo. Não tenho o mesmo faturamento que tinha na época da loja, mas tenho qualidade de vida.”

Na página do Conexões RS no Facebook, Mauren destaca os posts que tiveram mais curtidas, como este de produtos artesanais, com 800 likes.

O Conexões RS foi criado em abril de 2015 pela também jornalista gaúcha Mauren Motta, 47. Mauren é conhecida no Rio Grande do Sul por ter sido, nos anos 2000, apresentadora do Patrola, programa da RBS TV que ia ao ar nas manhãs de sábado e era voltado para o público jovem. Na mesma época, participou dos programas TV Xuxa e Fantástico, da Globo.

Pouco antes de deixar a TV, em 2006, ela fundou a empresa de mídia MM Conteúdo para prestar serviços de produção de conteúdo e assessoria de imprensa. A empresa tinha como clientes grandes marcas da indústria calçadista do sul do país e, por isso, Mauren recebia muitos convites para participar de grupos de compra e venda no Facebook. “Foram esses outros grupos, nacionais e estrangeiros, que me inspiraram a criar o Conexões RS, exclusivo para o Rio Grande do Sul”, conta ela.

PARTICIPANTES ENGAJADOS E BOA CURADORIA, A ESSÊNCIA DO NEGÓCIO

Nos primeiros meses do Conexões RS, os posts não passavam por nenhum tipo de crivo. “Aos poucos, percebi que fazia sentido escolher o que seria publicado, avaliar se o assunto era cabível, se o texto era informativo, se as fotos estavam boas”, conta Mauren. Foi após o início da curadoria que, segundo ela, o grupo “bombou”. Hoje, tem mais de 90 000 membros, dos quais 70 000 são ativos. “É um baita engajamento”, diz Mauren.

Ela dá, ainda, outros números: “Por mês, são admitidos cerca de 2 000 novos membros. Cada publicação tem, em média, 10 000 visualizações. E chego a ter 12 000 visualizações por vídeo ao vivo.” Os lives (transmissões de vídeo ao vivo, pelo Facebook) foram uma maneira que Mauren encontrou de comunicar novidades e orientar os participantes. “Sou uma influencer de adultos. Há até quem me chame de ‘apresentadora’ do grupo”, diz aos risos.

As mulheres são maioria no Conexões RS – cerca de 70%. Entre os produtos e serviços mais anunciados, estão os relacionados a moda, artesanato e decoração. “Me identifico com esses temas. No ano passado, escrevi um livro sobre moda, o Socorro! Com que roupa eu vou?“, conta.

COMO IR DO ONLINE PARA O OFFLINE

Ainda em 2017, Mauren viajou para a Califórnia, nos Estados Unidos, para participar de um evento de liderança na Singularity University. “Voltei com a ideia de transformar o Conexões RS em um centro de ações relacionadas às marcas que estão presentes no grupo.” O primeiro projeto neste sentido foi criar, há pouco mais de três meses, uma loja física no bairro Moinhos de Vento, em Porto Alegre: a Conexões RS Co+Lab. Ela investiu 50.000 reais no espaço, que em três meses de operação já vendeu 500 peças. Ela fala sobre seu funcionamento:

“A loja é colaborativa, locamos espaços para marcas. Lá, estão expostos produtos que são campeões de vendas no grupo online, como cangas toalhas e bichinhos de crochê”

Também há na Conexões RS Co+Lab uma área para eventos, cursos e treinamentos. “Entre as aulas, há desde as que têm como objetivo ajudar a vender mais, como a de marketing digital, até as mais específicas, como a de brigadeiro gourmet.”

Os produtos de maior destaque no Conexões RS ganham espaço de exposição na loja colaborativa Conexões RS Co+Lab, que também abriga cursos e eventos.

Em março deste ano, por exemplo, a loja recebeu um encontro de mulheres empreendedoras, que reuniu cerca de 150 participantes e foi patrocinado pela plataforma de pagamentos You. Além de ajudar a divulgar o Conexões RS, o ponto físico é uma maneira de Mauren monetizar, cobrando pelo patrocínio dos eventos e pelo aluguel do espaço, que varia de 280 a 500 reais. Sobre a ideia de lucrar e não somente atuar como mediadora no grupo online, ela diz:

“Cuidar de grupo online dá um trabalho monstruoso. Não sou a Madre Teresa de Calcutá”

O próximo passo será criar uma plataforma fora do Facebook e migrar o grupo para ela. “Na plataforma, pretendemos aprovar alguns posts de graça e cobrar pela aprovação de outros. Mas, meu intuito é cobrar dos empreendedores maiores, não de quem vende coxinhas”, afirma. O site ainda não tem data para ser lançado.

O que fez o Conexões RS se transformar em um negócio — e o que faz o grupo crescer — se deve muito à energia de Mauren, que chega a ficar 18 horas online por dia. “Sempre quis encontrar um trabalho com propósito. E encontrei. Acredito que o grupo mude a vida das pessoas, dê oportunidades a elas. Então, trabalho feliz”, afirma a empreendedora confiante de que tocar o negócio no online e no offline simultaneamente está rendendo bons resultados.

DRAFT CARD

Draft Card Logo
  • Projeto: Conexões RS e Conexões RS Co+Lab
  • O que faz: Grupo de compra e venda no Facebook e loja colaborativa
  • Sócio(s): Mauren Motta
  • Funcionários: 3 (incluindo a fundadora)
  • Sede: Porto Alegre
  • Início das atividades: Abril de 2015
  • Investimento inicial: R$ 50.000
  • Faturamento: 500 peças vendidas nos três primeiros meses
  • Contato: lojaconexoesrs@gmail.com
Veja também:

Como, em menos de dois anos, o Instituto Procomum viu seus projetos de transformação social ganharem peso

- 22 de novembro de 2018
2103 5 0

Sempre sonhou em ter um sítio? Não precisa mais: na Sta. Julieta Bio é possível ser “sócio” da produção

- 19 de novembro de 2018
Rafael Coimbra fala como largou uma agência de publicidade para produzir cestas de alimentos livres de agrotóxicos em um sistema colaborativo e com compradores conscientes do propósito do negócio.