SPONSORS:

Crux, uma assessoria financeira para pessoas físicas e pequenas empresas

- 7 de janeiro de 2016

Nome:
Crux.

O que faz:
A startup tem um serviço de consultoria para ajudar pequenos empresários e pessoas físicas em temas financeiros.

Que problema resolve:
Ela oferece assessoria para que o autônomo ou pequena empresa saiba se suas operações estão gerando lucro ou prejuízo. Isso inclui elaboração de planejamento financeiro e sistema de cobrança, análise de capital de giro, contato com escritório contábil, faturamento e controle de recebimentos e pagamentos de clientes, controle e programação de pagamentos de fornecedores etc.

O que a torna especial:
​O foco da Crux são empresas pequenas na área de design, produção audiovisual, além de novos empreendedores. A vantagem para esses clientes é que eles não precisam ter uma pessoa alocada na sua empresa.

Modelo de negócio:
A​ cobrança é feita de acordo com o número de atividades que a empresa quer contratar. Os valores são similares aos de escritórios contábeis, e variam entre 200 reais e 1 200 reais.

Fundação:
Outubro de 2015.

Sócios:
Licia Costa de Oliveira – Fundadora

Perfil dos fundadores:

​Licia Costa de Oliveira – 33 anos, São Paulo (SP) – formada em Administração de Empresas pela FEI. Trabalhou na área financeira de empresas como Cadbury Adams, BMW Brasil e General Mills Brasil. Em 2011, foi responsável financeira e administrativa do Estudio Colletivo de Design e IdeaFixa Serviços Colaborativos, de onde se desligou em 2015 para fundar a Crux. ​

Como surgiu:
Licia aprendeu, ao longo de seus nove anos na área corporativa, e encontrar falhas em planejamentos financeiros de empresas. Quando foi trabalhar no Estudio Colletivo, ela passou a receber receber contatos de amigos produtores, DJs, empreendedores na área de moda e redes sociais. Eles tinham dúvidas contábeis e financeiras, não sabiam como controlar fluxo de caixa, planejar o ano, ou mostrar aos seus investidores onde usaram o dinheiro recebido. Daí surgiu a ideia da Crux, uma consultoria com tratamento mais informal e linguagem simples, para ajudar essa clientela.

Estágio atual:
Atualmente, Licia é a única funcionária da startup, e trabalha de um escritório em São Paulo. Ela está em estágio de apresentação da empresa ao mercado e prospecção de clientes.​

Aceleração:
Não busca.

Investimento recebido:
A fundadora investiu apenas o valor que recebeu de férias e 13º salário da empresa anterior.​

Necessidade de investimento:
Ainda não há valor definido.

Mercado e concorrentes:
Pela facilidade de interagir e entender como funciona a consultoria, a Crux considera algumas plataformas e programas de finanças suas maiores concorrentes, apesar de não oferecerem um tratamento caso a caso. Entre elas, estão ContaAzul, Granatum e Tiny.

Maiores desafios:
​No momento, a prospecção de clientes é o maior desafio da startup. O número ideal para atingir uma estabilidade seria entre 10 e 20 clientes, além do apoio de um novo sócio e funcionários.

Faturamento:
Entre outubro e novembro de 2015, o faturamento foi de 4 mil reais. Com a entrada de novos clientes, a empresa espera alcançar um faturamento mensal de 5 mil reais a 7 mil reais.

Previsão de break-even:
Não informada.

Visão de futuro:
“Quero manter os clientes satisfeitos com o tratamento e focar no crescimento deles. Além de manter a a individualidade, sem as padronizações que vemos em serviços corporativos”, diz Licia.

Onde encontrar:
Site
Contato

 

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

Veja também:

O Ateliê Catarina transforma livros em bolsas enquanto traz um novo propósito à vida de sua fundadora

- 13 de junho de 2018

Verbete Draft: o que é Facilitação Gráfica

- 16 de maio de 2018
2244 7 0
Usada para organizar informações, a Facilitação Gráfica ajuda a engajar participantes em projetos, eventos, aulas etc.

A Dobra é uma empresa que faz carteiras “de papel”, mas também quer reinventar a gestão e o atendimento

- 1 de maio de 2018
Guilherme e Eduardo, primos e sócios na Dobra, dizem que as carteiras são só ferramentas para outros propósitos, como uma produção justa e colaborativa.