SPONSORS:

“Erre com o dinheiro dos outros antes de abrir o seu próprio negócio”

- 13 de setembro de 2018
Michel Lent Schwartzman fala das oportunidades, dos desafios e do futuro do mercado publicitário e, de quebra, dá cinco dicas para interessados em construir uma carreira nessa área.

 

por Michel Lent Schwartzman

Meu jovem amigo, está interessado em fazer carreira em Publicidade ou mesmo já pensando em abrir sua agência? A convite do Adriano Silva, venho aqui contar um pouco da minha experiência nessa área e falar sobre as agências que abri.

Sou o que se pode chamar de “empreendedor serial” em agências de publicidade. São quase 25 anos de carreira, sempre criando áreas e departamentos em empresas como Globo.com, DM9DDB, Ogilvy, Pontomobi, e mesmo começando agências do zero, como a  10’Minutos, a Pereira & O’Dell, a Lent/AG e algumas outras no meio do caminho. O que aprendi nesse tempo? Muito. Mas vou tentar resumir aqui em cinco pontos.

1) Erre com do dinheiro dos outros

A frase pode até parecer engraçada, mas está baseada na mais pura verdade. Antes de pensar em abrir seu negócio, ganhe experiência trabalhando em outras empresas. Quando estamos iniciando nossa carreira, errar é mais do que humano, é esperado. Quando você ainda é jovem e é contratado por uma empresa, ela sabe que você está aprendendo e está disposta a te ensinar. Inclusive, o teu salário em começo de carreira é também mais baixo do que alguém mais experiente, justamente, porque se leva em consideração que você está em fase de aprendizado.

Antes de abrir o seu negócio, com o seu dinheiro, vale passar um tempo em outras empresas do mesmo ramo, aprendendo no dia a dia

 

2) Sociedade é difícil!

Na lata, essa é a mais pura verdade. Sociedade não é fácil. Encontrar sócios adequados talvez seja o maior dos desafios. As sociedades muitas vezes determinam o fim de uma empresa que teria sobrevivido não fossem os seus sócios. A empresa pode ter mercado, clientes, demanda, gerar dinheiro. Se os sócios não se entenderem, de nada vai adiantar. Como escolher os sócios? Em primeiro lugar, pelos valores. Sócios precisam compartilhar valores, ter visões de vida e ética semelhantes. Em segundo lugar, pela complementariedade. No começo da empresa, os sócios fazem tudo: do café à contabilidade.

Se você e seu sócio não forem complementares nas tarefas, a chance de que um de vocês fique mais sobrecarregado é muito grande e isso cobra um preço logo adiante

Por último, leve em conta o grau de amizade. Já fui sócio de amigo e já fiquei amigo de sócio. Prefiro a segunda opção. Amigos, amigos, negócios à parte, é uma ótima expressão. Um grande amigo pode ser um bom amigo, mas não necessariamente será um bom sócio. E no final, você pode acabar sem o sócio e sem o amigo.

 

3) A publicidade acabou. Viva a publicidade!

Se a notícia ainda não chegou a você, deixa eu te contar: A PUBLICIDADE ACABOU. Sim, a publicidade da forma como conhecíamos já era. São novos tempos, novas formas de acessar a informação e todo o ecossistema em volta disso está se reconfigurando. O modelo de negócio das agências, muito baseado em mídia, precisa ser reinventado. As principais agências do mercado estão em sérios apuros financeiros, se reconfigurando e podem até deixar de existir. Por outro lado, justamente porque o mercado está mudando e tanta coisa está sendo reinventada é que há uma oportunidade extraordinária para se começar um novo negócio de publicidade, de uma forma adequada aos tempos atuais. E já existem agências experimentando novos modelos. Se você está procurando lugar para trabalhar, fique de olho nas novas agências. É para lá que o mundo caminha.

 

4) Trabalhar em publicidade não é (só) trabalhar em agência

Há uma tendência muito forte se consolidando no mercado, no qual as estruturas de marketing criam pequenas equipes internas nos clientes. Estas estruturas internas se fazem necessárias porque as ferramentas para se falar com o público e a velocidade com que se precisa agir não estão mais permitindo que isso fique em espaços separados. Com isso, vemos um movimento onde as “houses” ganham força de novo. Praticamente todos os clientes estão se encaminhando para uma dinâmica de trabalho em tempo real. É o chamado real-time marketing. Portanto, quando for procurar lugar no mercado, considere também se juntar ao time interno das marcas. As chances são de que você consiga encontrar uma turma muito interessante e times motivados em fazer acontecer de verdade.

 

5) O emprego acabou. Que bom!

As chances hoje de você iniciar e terminar a sua carreira em uma mesma empresa são praticamente zero. Não porque você não seja um bom profissional ou porque a empresa não vá te querer

O mundo está mudando tão rápido que as próprias empresas passarão por transformações profundas que nem temos condições de prever. Neste aspecto, o conceito de emprego e carreira em uma empresa vai ficando cada vez mais abstrato e sem sentido. Por outro lado, nunca vivemos um momento tão interessante e tão “simples” para se iniciar um negócio. Comece errando com o dinheiro dos outros, como falei lá no ponto 1 e esteja preparado para assumir as rédeas da sua própria vida porque, cedo ou tarde, este momento vai chegar. E termos as rédeas da vida é a melhor coisa que pode nos acontecer.

 

 

Michel Lent Schwartzman, 49, é formado em Desenho Industrial pela PUC-Rio e mestre em Telecomunicações Interativas pela New York University. Começou sua carreira em 1995, na EuroRSCG de Nova York. Liderou o processo de digitalização da DM9 DDB e fundou a 10’Minutos, agência digital adquirida pela Ogilvy Brasil em 2009. Foi sócio da Pontomobi e fundador e CEO da Pereira & O’Dell no Brasil. Desde 2015, dirige a Lent/AG.

Veja também:

Verbete Draft: o que é Co-Marketing

- 12 de setembro de 2018
1567 1 0

“Fui morar fora com mil dólares no bolso. É possível e vale muito conhecer outras culturas. Eis o que aprendi”

- 24 de agosto de 2018

Quando uma sociedade não dá certo, apesar do sucesso: o começo, o fim e o “retorno” da Padoca Vegan

- 6 de agosto de 2018

“O que queremos é sair do discurso sobre diversidade e, efetivamente, praticá-la”

- 4 de julho de 2018
9349 3 0

“Truthtelling é a anti bullshitagem na publicidade. A verdade inspira, engaja, fideliza e – claro – vende mais”

- 15 de junho de 2018
8054 9 0
Em seu novo livro Truthtelling, o publicitário Raul Santahelena defende que uma marca só conseguirá se conectar com seu público se desenvolver uma mensagem relevante, franca e autêntica.