SPONSORS:

Lucas Foster: a importância de se conectar com os investidores certos para o seu negócio

- 26 de Janeiro de 2015
Lucas Foster, do ProjectHub: do primeiro contato ao primeiro aporte em duas semanas – bom para quem tem uma boa ideia e bom para quem quer investir em boas ideias
Lucas Foster, do ProjectHub: do primeiro contato ao primeiro aporte em duas semanas – bom para quem tem uma boa ideia e bom para quem quer investir em boas ideias

O objetivo do Project Hub é facilitar o encontro entre empreendedores criativos e investidores de impacto, comprometidos em melhorar a experiência de vida das pessoas. Para isso oferece uma plataforma online que busca simplificar a conexão entre os dois polos, a ponto de reduzir de três meses para duas semanas a conversão entre a demanda do investidor e a realização do aporte no empreendimento.

É assim que o ProjectHub tem ajudado a viabilizar projetos na economia criativo. Em novembro de 2014, o ProjectHub inaugurou uma ferramenta que reúne em um único espaço as duas pontas fundamentais para o fomento de negócios inovadores: o cadastro de empreendedores e projetos criativos e, do outro lado, uma série de demandas apontadas por investidores.

O objetivo é que, após análise e coleta de dados em ambas as pontas, possam ser feitas as conexões que permitam a concretização de mais negócios de impacto positivo no mercado e na sociedade.

“Além de acelerar a conexão, percebemos que vários investidores fecham o ano sem ter usado todo o potencial de investimento reservado a novos projetos. Isso acontece por falta de iniciativas ou de informação sobre iniciativas existentes. Do outro lado, muitos projetos bons e inovadores não conseguem se viabilizar por falta de acesso a capital”, diz o psicólogo Lucas Foster, idealizador da ProjectHub.

Lucas diz que isso acontece principalmente nas regiões em que as grandes empresas não têm sede ou onde os grandes fundos de investimento não estão olhando. “Apesar de Recife ser um polo de economia criativa, o acesso das startups e dos projetos criativos dessa região ao capital é ainda muito pequeno se comparado a empreendedores em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro – mesmo que, muitas vezes, o projeto concebido na cidade nordestina seja mais relevante”, diz ele.

A plataforma, que atua encurtando distâncias, é mais um braço na atuação da ProjectHub em prol do amadurecimento do ecossistema de negócios criativos brasileiro. A plataforma recebe cadastros de projetos vindos de todo o território nacional. E, em breve, também receberá de países parceiros, como Austrália, Dinamarca e Portugal. Atualmente, a plataforma do ProjectHub conta com 1700 empreendedores cadastrados.

“É importante que o empreendedor saiba quais são as suas habilidades e se essas habilidades são relevantes para a proposta de valor que ele quer oferecer ao mercado. Ao mesmo tempo, é importante que ele tenha curiosidade para conhecer referências que já deram certo no mesmo segmento e quais são os profissionais, empreendedores ou empresas que podem ser seus parceiros no processo de tirar um negócio do chão”, diz Lucas.

Ele sublinha o fato de que, muitas vezes, o que o investidor espera não é necessariamente aquilo que o empreendedor tinha imaginado oferecer ao mercado. Então será necessário estar com o espírito preparado para adaptar su discurso e seu projeto às expectativas dos interlocutores que vão prover os recursos para a sua iniciativa.

 

DE EMPREENDEDOR PARA EMPREENDEDOR

 

Quais apps de produtividade todo empreendedor devia usar?
Pipedrive, Zeropaper, Smartsheet, Runrun.it

Que sites de negócios e inovação todo empreendedor devia seguir?
Entrepreneur, Inc., FastCompany, Wired e Draft

Que livros de negócio todo empreendedor devia ler?
“Foco”, de Daniel Goleman
“Humanize”, de Jamie Notter e Maddie Grant
“Poder do Hábito”, de Charles Duhigg

Eventos de inovação e negócios que todo empreendedor deveria frequentar
Creative Business Cup, SXSW, DAY01, Feira Do Empreendedor, Semana Global Do Empreendedorismo, Prêmio Brasil Criativo, Techcrunch.

Que softwares você usa no seu computador pessoal?
MindManager, Google Chrome, Skype. O resto é feito na nuvem, portanto, recomendo instalar o DropBox e o Google Drive também.

Que hardware você usa no seu computador pessoal?
JBL Flip 2 e câmera fotográfica Sony.

Qual a sua opinião sobre cloud computing?
Sou fã do cloud computing. Sempre tive o costume de instalar, baixar e configurar diversos arquivos, softwares e apps no meu computador. Frequentemente, a solução era formatar o HD e começar de novo. Fico aliviado com a nuvem, pois posso manter todos os meus documentos salvos e preservados, mesmo que corra o risco de formatar o meu HD ou sofrer algum tipo de dano grave com o meu equipamento.

Como seria o computador dos seus sonhos?
Basicamente, seria cada vez mais simples e mais rápido. Acho que evoluímos muito nos últimos anos, portanto, talvez a solução seja ele ser cada vez mais completo e móvel, com bateria que dure semanas. Ah sim, se ele pudesse ser usado por uma semana sem carregar, com certeza eu teria o computador dos meus sonhos.

 

AssinaturaHP

 

Com esta série HP/Intel no Draft, vamos falar das ferramentas e tecnologias usadas pelos inovadores. Do lifestyle e dos novos jeitos de trabalhar dos game changers brasileiros. Dos novos espaços de trabalho e dos novos jeitos de gerir dos nossos makers. Do como pensam e como fazem negócios os empreendedores criativos do país.

Veja também:

A Runrun.it conta como sobreviveu à saída de clientes e dobrou o faturamento num ano difícil

- 7 de Fevereiro de 2017
Os sócios da Runrun.it, Antonio Carlos Soares, Patrick Lisbona e Franklin Valadares quebraram a cabeça para manter o crescimento da plataforma de gestão em meio à crise – e conseguiram.