SPONSORS:

O acesso ao dinheiro, na palma da mão de todo vendedor

- 21 de março de 2018
A Point Mini vai para a rua junto com o empreendedor: opção de pagamento com cartão e parcelamento sem acréscimo.

A missão do Mercado Pago sempre foi tornar o sistema financeiro disponivel a todos. Agora, essa verdade se torna ainda mais palpável – cabendo na palma da mão, para ser mais preciso. Com o lançamento da maquininha de cartão de crédito e débito Point Mini, alguns passos enormes nesse sentido foram dados.

A Point Mini vem abrir espaço em um terreno até então restrito a players focados em grandes empreendedores. “Nossa maquininha foi pensada para um público que hoje fatura pouco e não tem acesso aos bancos e aos cartões”, define Rafael Teles, supervisor de mobile do Mercado Pago. “A ideia é incluir esse público no mercado.”

Mais do que o público-alvo, as grandes diferenças da Point Mini são o fato de ela ser vendida, e não alugada; e o fato de o dinheiro ficar disponível para o vendedor imediatamente após aprovada a compra. “Com os adquirentes tradicionais, uma venda parcelada seria creditada na conta do vendedor a medida que o cliente pagasse”, diz Teles. “Se é uma venda em seis vezes, por exemplo, ele recebe a primeira em 30 dias, a segunda em 60, depois em 90 etc. Só que o nosso público precisa do dinheiro rapidamente, para que possa repor o estoque e vender amanhã de novo. Nós queremos movimentar a economia junto com esse personagem.” Embora receba à vista, não há alteração na tarifa de quem tem conta Mercado Pago.

A primeira mPOS (“mobile point of sale”, ponto de venda móvel, o termo técnico para a maquininha) do Mercado Pago foi lançada em 2015. A Point H é um leitor de cartão, sem conexão com a internet, que se conecta via bluetooth e cuja transação é suportada via celular. Um ano depois, foi lançada a Point I, com um chip por meio do qual se conecta com todas as operadoras e permite que ela seja usada sem a necessidade de um celular.

Finalmente, em junho último, a “família” foi completa, com a Point Mini. Para usá-la, basta criar uma conta Mercado Pago (no aplicativo para Android ou iOS); o app conecta a maquininha ao celular e, a partir daí, qualquer pequeno empreendedor pode oferecer a seus clientes a opção de pagamento com cartão e parcelamento sem acréscimo. A máquina é vendida por R$ 118,80 em até 12 vezes sem juros.

“Talvez uma grande loja não sinta o custo das maquininhas tradicionais, ou da antecipação do pagamento do cartão”, diz Teles. “Mas nós temos no Brasil 20 milhões de profissionais que faturam menos de R$ 5000 por mês. Para este, até agora só havia a possibilidade de gastar R$ 150 por mês para alugar uma maquininha, e recolher ainda as taxas de cada transação. Isso inviabilizava qualquer negócio. Com a Point Mini, esse vendedor pode aceitar cartão, e vender mais.”

O dinheiro fica disponível imediatamente na conta Mercado Pago (“Nós somos os únicos no mercado com essa facilidade”, diz Teles) e pode ser usado para transferências, pagamento de contas, compra de créditos para o celular e outros serviços com parceiros. As tarifas mais baixas também são um diferencial enorme para o pequeno realizador: a partir de 2,29% no débito e a partir de 3,03% no crédito. “Em alguns casos, a antecipação dos pagamentos via crédito podem chegar a até 8% da venda”, diz Teles. “Imagine um lojista que cobra R$ 200 em três vezes pela mercadoria que está vendendo. Ele tem de pagar 4% (ou seja, R$ 8) de tarifa para receber o pagamento em cada parcela. Se quiser antecipar o pagamento, pagaria mais 15% (R$ 30). Isso sem contar o aluguel da maquininha, que normalmente é de R$ 150 ao mês. No Mercado Pago, para receber na hora em sua carteira digital, ele pagaria somente 10,72% (R$ 21,44). E a nossa maquininha custa R$ 118,80, em um único pagamento.”

Desde o lançamento da Point Mini, as vendas das maquininhas do Mercado Pago cresceram treze vezes. Clique aqui e conheça o que nós podemos fazer para o seu negócio.

 

Mercado Pago - Banner Draft v1

Veja também:

Como a Welight permite ao consumidor financiar causas sociais sem tirar um tostão do bolso

- 3 de setembro de 2018

Como a FindUP encurtou o caminho entre técnicos de informática e redes varejistas na América Latina

- 28 de agosto de 2018
4852 3 0

De olho no nicho da alimentação saudável, a OneMarket se molda para acompanhar o próprio mercado

- 16 de maio de 2018
Lucas Marin, Henrique e Luiz queriam empreender em algo com potencial de mercado. Assim começou a história da OneMarket.

Verbete Draft: o que é O2O

- 28 de fevereiro de 2018
7451 0 0
O2O é a transição — ou a complementação — de uma venda do ambiente online para o offline e vice-versa. Com o avanço da tecnologia, sai na frente quem oferece o melhor modelo ao consumidor. O gigante do e-commerce chinês Alibaba, por exemplo, vai abrir um shopping físico.