SPONSORS:

O Alou é um call center com atendentes em esquema home office

- 6 de março de 2019

Nome:
Alou.

O que faz:
É uma plataforma de atendimento telefônico para empresas que usa uma rede de freelancers para auxiliar os clientes.

Que problema resolve:
Para os freelancers, dá a liberdade do profissional montar seu próprio horário e ter uma fonte de renda extra. Para o contratante, a startup busca resolver o problema da qualidade do atendimento, que acarreta em um alto número de reclamações e, consequentemente, perda de clientes.

O que a torna especial:
Segundo os fundadores, a startup possui uma forma dinâmica para escolher a melhor forma de um cliente ser atendido e conta com um ranqueamento dos atendentes baseado na qualidade, assim o que estiver melhor classificado terá a oportunidade de atender primeiro.

Modelo de negócio:
A remuneração dos freelancers será feita por atendimento realizado e o valor vai variar de acordo com o contratante. A Alou receberá uma comissão em cima dos valores transacionados pelo sistema.

Fundação:
Abril de 2018.

Sócios:
Hêber Lacerda Programador Back-end
Henrique Pena Programador Full Stack Izabella
Izabella Caroline Expedito  Programadora Front-End
João Paulo Alvarenga Frade Designer
Lucas Cefas Alvarenga Silva Técnico de infraestrutura

Perfil dos fundadores:

Hêber Lacerda — 18 anos, Belo Horizonte (MG) — é técnico em Informática pelo Colégio Cotemig. Estagiou na empresa Matrix na área de suporte técnico em redes.

Henrique Pena — 18 anos, Belo Horizonte (MG) — é técnico em Informática pelo Colégio Cotemig. Estagiou como desenvolvedor na empresa Netscanner.

Izabella Caroline Expedito — 18 anos, Belo Horizonte (MG) — concluiu o ensino médio. A Alou é sua primeira experiência profissional.

João Paulo Alvarenga Frade  18 anos, Nova Lima (MG) — é técnico em Informática pelo Colégio Cotemig. Estágio na área de hardware na empresa Informatiza.

Lucas Cefas Alvarenga Silva — 19 anos, Nova Lima (MG) —  é técnico em Informática pelo Colégio Cotemig. Estagiou na área de hardware na empresa Informatiza.

Como surgiu:
Os sócios contam que a ideia surgiu durante a aceleração pela Q4Angels da primeira startup do grupo, a Sensorial Stick (acessório para facilitar a mobilidade de deficientes visuais). Durante o processo, eles identificaram outra necessidade de mercado, a de um melhor atendimento nas empresas, e mergulharam também nesse projeto.

Estágio atual:
A startup está em fase de incubação na empresa Tagplus desenvolvendo e testando o serviço.

Aceleração:
Estão sendo acelerados pela Q4Angels.

Investimento recebido:
Os sócios receberam 60 mil reais da aceleradora e investiram outros 15 mil reais de recursos próprios no negócio.

Necessidade de investimento:
Os empreendedores querem captar um novo aporte, mas ainda não definiram o valor. A intenção é usar o investimento para ampliar a infraestrutura de dados e a área de marketing.

Mercado e concorrentes:
Para os cofundadores, o mercado é do futuro por ser um “call center home office”. Os sócios acreditam que competem indiretamente com empresas que oferecem serviço de atendimento terceirizado.

Maiores desafios:
Segundos os sócios, o maior desafio é adaptar o mercado atual às mudanças propostas pela inovação tecnológica, buscar mais atendentes e empresa interessadas em usar a plataforma.

Faturamento:
Ainda não fatura.

Previsão de break-even:
Final de 2019.

Visão de futuro:
Os fundadores querem que, em dois anos, a startup tenha, pelo menos, 100 empresas cadastradas e ativas no sistema e mais de mil atendentes. Além disso, pretendem investir na utilização de novas tecnologias como AI e machine learning.

Onde encontrar:
Site
Contato

 

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho, mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

Veja também:

Nós participamos do Give Up Certainties, evento do Clan – e contamos como é estar no coração da Flag

- 23 de fevereiro de 2015
9536 0 0
No meio do caminho (da The Kumite, da Cubo CC, da Flag, do Clan) tinha uma Luisa.