SPONSORS:

O Lab.Vi realiza gestão de conhecimento para empresas

- 12 de Fevereiro de 2018

Nome:
Lab.Vi.

O que faz:
É uma consultoria de gestão de conhecimento para empresas.

Que problema resolve:
Segundo as sócias, o negócio ajuda a selecionar informações relevantes, levar diversidade para solução de problemas, inovar na entrega de eventos e no desenvolvimento de pessoas.

O que a torna especial:
Ainda de acordo com as sócias, o Lab.Vi utiliza uma metodologia própria, chamada de “Rodada” (sessão de transferência de conhecimento), que pode ser usada para a apresentação de novos produtos, sensibilização de grupo de clientes, posicionamento de marca, etc.

Modelo de negócio:
A Rodada aberta ao público custa 38,50 reais e as corporativas a partir de 9 400 reais.

Fundação:
Dezembro de 2016.

Sócias:
Talita Chiodi — Cofundadora
Fabiana Raucci — Cofundadora

Perfil dos fundadores:

Talita Chiodi — 31 anos, São Paulo (SP) — é formada em Arquitetura e Urbanismo pelo Mackenzie, com MBA em Desenvolvimento do Potencial Humano pela Franklin Covey. Atuou como consultora e facilitadora para empresas como Yamaha, Banco Daycoval, Odebrecht e Bosch.

Fabiana Raucci — 29 anos, São Paulo (SP) — é formada em Propaganda e Marketing pela ESPM e pós-graduada em Global Commerce pela University of California. Trabalhou no Comex Group e no Connect English.

Como surgiu:
Após uma mudança profunda na vida pessoal e profissional, Talita conta que iniciou alguns desenhos de modelos para solucionar “problemas” verificados em abordagens corporativas tradicionais, como palestras e workshops. Chamou Fabiana para ajudá-la a desenvolver uma metodologia de compartilhamento de conhecimento e, em sete meses, validaram a proposta, após a realização de cinco “Rodadas” com amigos e conhecidos.

Estágio atual:
Já foram realizadas 12 Rodadas, com a participação de cerca de 600 pessoas.

Aceleração:
Não teve.

Investimento recebido:
As sócias investiram 200 mil reais de recursos próprios na empresa.

Necessidade de investimento:
As empreendedoras querem captar 450 mil reais para criar uma plataforma digital.

Mercado e concorrentes:
“Enxergamos o mercado bastante carente de soluções que apoiem a gestão de conhecimento nas empresas, uma área muito nova nas discussões, mas de extrema relevância”, diz Talita. As sócias apontam como concorrentes indiretos o Mesa e Cadeira, Wake e o Creative Mornings.

Maiores desafios:
“Comunicar o que fazemos pois, como não há algo parecido, é difícil de as pessoas e organizações entenderem”, afirma Fabiana.

Faturamento:
750 mil reais (previsão para 2018).

Previsão de break-even:
Julho de 2018.

Visão de futuro:
“Ter uma plataforma digital para tornar nosso modelo de negócio repetível e escalável, viabilizar a certificação de outras empresas na nossa metodologia e gerar impacto positivo no que se refere a maneira como hoje adquirimos e transferimos conhecimento no Brasil”, afirmam as sócias.

Onde encontrar:
Site
Contato

 

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

Mas, se você tem uma ideia e ainda não sabe como estruturá-la em uma estratégia de negócios, escreva para mentoria@projetodraft.com e conheça nosso novo serviço de Mentoria.

Veja também:

Acessibilidade é bom para todos, não só cadeirantes. Assim é o Guiaderodas, app que está ganhando o mundo

- 25 de outubro de 2017
Bruno Mahfuz é cadeirante desde os 17. Ele criou um aplicativo, premiado pela ONU, que informa a acessibilidade dos lugares e também uma consultoria para ajudar a tornar o mundo mais inclusivo.

Primeiro você cria um negócio, depois investe tudo na reinvenção dele: conheça a mentora virtual Clara

- 21 de Março de 2017
Daniel Pereira, CEO da Luz, espera que a Clara seja o braço direito do pequeno empreendedor

Como o Aussi, uma consultoria via aplicativo, driblou a falta de investimento com parcerias e aceleração

- 14 de Fevereiro de 2017
Os sócios Marllon Calaes, Daniel Ushida, Antonio Cardoso e Felipe Ferraz, investiram 50 mil reais do próprio bolso para colocar no ar um aplicativo para tirar dúvidas do micro e pequeno empreendedor.