SPONSORS:

O Opinaê realiza pesquisas de opinião para empresas em pontos de venda

- 28 de dezembro de 2018

Nome:
Opinaê.

O que faz:
É um aplicativo de pesquisa de opinião que ajuda empresas, como hotéis, clínicas e laboratórios, a monitorar o nível de satisfação dos clientes nos pontos de venda (PDV), usando tablets, totens ou celulares.

Que problema resolve:
Para as empresas contratantes, facilita a tomada de decisões, já para seus clientes, traz experiências mais satisfatórias.

O que a torna especial:
Segundo o fundador, a empresa pode criar e personalizar suas pesquisas em poucos minutos e o sistema funciona offline.

Modelo de negócio:
O app opera no modelo SaaS, com valores a partir de 765 reais no plano anual ou 225 reais no plano trimestral.

Fundação:
Novembro de 2017.

Sócio:
Paulo Ingrevallo — Fundador e gerente de projetos

Perfil dos fundadores:

Paulo Ingrevallo — 48 anos, São Paulo (SP) — é formado em Publicidade e Propaganda pela Universidade São Judas Tadeu, com pós-graduação em Marketing pela mesma instituição e em Project Management pelo Centennial College (Canadá). Tem passagens por empresas como AGF, ABN AMRO e Suprisul.

Como surgiu:
Paulo conta que, em 2015, começou a desenvolver um projeto de aplicativo para pesquisa de satisfação de clientes para atender a demanda específica de uma empresa. Mais tarde, ele diz que essa ideia evoluiu para o desenvolvimento de um solução que pudesse ser escalável e atender outros negócios. O app foi lançado em versão beta em novembro de 2017. E em março de 2018,  foi disponibilizada a versão oficial para Android.

Estágio atual:
A startup conta com 50 empresas clientes e já realizou 300 pesquisas diferentes. Ainda de acordo com o fundador, 40 mil pessoas já responderam pesquisas pelo app.

Aceleração:
Não teve.

Investimento recebido:
O fundador investiu 50 mil reais de recursos próprios na empresa.

Necessidade de investimento:
O empreendedor pretende captar 150 mil reais no 2º semestre de 2019 para contratação de mais desenvolvedores.

Mercado e concorrentes:
“O mercado é promissor para startups com soluções para empresas que buscam melhorar a qualidade de seus serviços. Isso envolve não somente a parte de pesquisa, mas todo o processo de interação do cliente com a empresa e seus produtos”, fala Paulo. Ele aponta como concorrentes indiretos o Google Forms, o Survey Monkey, além do desenvolvimento in house nas empresas.

Maiores desafios:
“Achar um equilíbrio entre as ideias e demandas para nossos features e as nossas limitações de recursos tecnológicos”, conta o fundador.

Faturamento:
Não informado.

Previsão de break-even:
Foi atingido em setembro de 2018.

Visão de futuro:
“Queremos ter operação mundial. Por ser um aplicativo que pode ser instalado em qualquer dispositivo Android, a nossa meta é, em 2020, ter versões em inglês e espanhol, focando nos Estados Unidos, no Canadá e na América Latina”, diz Paulo.

Onde encontrar:
Site
Contato

 

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho, mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

Veja também:

“Truthtelling é a anti bullshitagem na publicidade. A verdade inspira, engaja, fideliza e – claro – vende mais”

- 15 de junho de 2018
Em seu novo livro Truthtelling, o publicitário Raul Santahelena defende que uma marca só conseguirá se conectar com seu público se desenvolver uma mensagem relevante, franca e autêntica.

A MindMiners põe, literalmente, na palma da mão um serviço historicamente custoso: pesquisas de opinião

- 14 de junho de 2018
8779 3 0
Sem experiência na área de pesquisa de opinião, Renato Chu e os sócios conseguiram tornar mais ágil e barata a a coleta e análise de informações sobre consumidores.

Como o PiniOn se juntou a um instituto de pesquisas na Ideia Big Data, que quer revolucionar o mercado

- 22 de agosto de 2017
4779 2 0

“As pessoas não gostam de propaganda. Pessoas gostam de pessoas”

- 5 de agosto de 2016
Que as redes sociais afetaram tudo entre marcas e empresas, a gente sabe. Herbert Gris olha para as Relações Públicas e conta o que acredita ser o futuro, que já chegou: o Marketing de Influência.