SPONSORS:

O Organize meu Condomínio é uma ferramenta de gestão para síndicos e moradores

- 1 de fevereiro de 2019

Nome:
Organize meu Condomínio.

O que faz:
É uma plataforma SaaS de gestão de condomínios, com ferramentas de administração, controle e comunicação para síndicos, além de permitir uma melhor comunicação entre os moradores.

Que problema resolve:
Para os síndicos, simplifica os processos administrativos, as preocupações de segurança e a questões com transparência de contratos e de operações. Para os moradores, fortalece a colaboração.

O que a torna especial:
Segundo os fundadores, os usuários podem acessar a plataforma via web ou aplicativo, e atualmente a startups está integrando novos hardwares de controle com sensores biométricos, monitores de água e energia.

Modelo de negócio:
O Organize meu Condomínio cobra assinaturas mensais a partir de 199 reais.

Fundação:
Fevereiro de 2017.

Sócios:
Claudia Wetzel — CEO
Eduardo Souza — CTO
Diego Oliveira — CMO
Telmo Bauler — Advisor
Horácio Poblete — Advisor

Perfil dos fundadores:

Claudia Wetzel — 42 anos, São Paulo (SP) — é formada em Engenheira de Alimentos pela Unicamp, com pós-graduação em Marketing pela FGV. Tem passagens por empresas como Sealed Air e Multisorb Technologies.

Eduardo Souza — 42 anos, São Paulo (SP) — é formado em Design pela Belas Artes, com pós-graduação em Administração de Empresas pela FIA. Foi diretor da agência de marketing digital Kwead, atendendo clientes como Bosch e Nestlé.

Diego Oliveira — 37 anos, São Paulo (SP) — é formado em Administração de Empresas pela FGV-SP, com pós- graduação pela FIA. Tem passagens por empresas como Roche, Watson Pharmaceuticals e EMS.

Como surgiu:
Quando Eduardo se tornou sub-síndico de seu condomínio, ele conta que  viu todos os cadernos e papéis soltos que eram utilizados na gestão do edifício em que morava e, instantaneamente, percebeu que deveria haver uma maneira mais fácil de fazer essas tarefas e que os dados deveriam estar online. Daí, nasceu a ideia de desenvolver uma plataforma, que foi validada com outros síndicos e, pouco a pouco, ganhando novas funcionalidades.

Estágio atual:
A plataforma conta com 75 condomínios como clientes e 17 mil usuários ativos.

Aceleração:
Concluiu recentemente o programa de aceleração do Founder Institute, em São Paulo. Além disso, a CEO passou pelo programa de aceleração da B2Mamy.

Investimento recebido:
Os sócios afirmam que o investimento inicial foi apenas as horas de trabalho dos fundadores.

Necessidade de investimento:
Querem captar 350 mil reais para o desenvolvimento de novos canais de aquisição de clientes.

Mercado e concorrentes:
“Apenas 16% dos condomínios no Brasil possuem algum tipo de sistema de gestão, o que cria uma oportunidade enorme de expansão. Estamos em negociação com administradoras que não oferecem sistema de gestão e app para seus clientes, de forma a ampliarmos rapidamente nossa base”, fala Eduardo. Ele aponta como principal concorrente o app da empresa Atos e startups com soluções semelhantes como a BRCondos, TownSquare, CondoMob e Condomínio21.

Maiores desafios:
“Conseguir quebrar a barreira de entrada nas administradoras e fechar contratos com elas, mantendo um ticket médio interessante para nós”, afirma o CTO.

Faturamento:
10 mil reais mensais.

Previsão de break-even:
Junho de 2019.

Visão de futuro:
“Queremos nos tornar o maior sistema de gestão de condomínios da América Latina, auxiliando uma administração eficiente e transparente e, ao mesmo tempo, incentivando boas relações, confiança e colaboração entre vizinhos”, fala Eduardo.

Onde encontrar:
Site
Contato

 

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho, mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

1540 Total Views 1 Views Today
Veja também:

App de gestão de condomínios para famílias de baixa renda? O SmartSíndico escolheu focar neste público

- 26 de março de 2019