SPONSORS:

Pioneira em plantas fotovoltaicas de grande porte, a GD Solar atrai empresas de olho em energia sustentável

- 1 de abril de 2019
Ricardo Costa conta que o negócio já tem cinco usinas espalhadas pelo Brasil e mais oito em construção. Entre os novos projetos está o abastecimento de ônibus e caminhões elétricos.

O engenheiro civil Ricardo Costa, 52, fundador da GD Solar, construtora e operadora de usinas fotovoltaicas, sabe aproveitar oportunidades. Em 1999, pouco tempo depois que a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) aprovou uma lei permitindo que empresas comprassem energia elétrica não apenas da concessionárias (aquelas que nos mandam a conta de luz todo mês), mas diretamente de outros geradores de eletricidade, ele abriu um negócio que fazia gestão de compra e venda de energia elétrica para grandes organizações, atendendo, especialmente, o setor de telecomunicação.

Ricardo operava no chamado mercado livre de energia — que permite escolher de quem se quer comprar eletricidade — quando, em 2012, anteviu que o país passaria por uma alta de preços no setor elétrico. Na época, a Aneel trabalhava em uma resolução que permitiria que as plantas de energia jogassem sua produção excedente de eletricidade na rede das concessionárias, ficando com uma espécie de crédito para usar depois.

A oportunidade, então, era dupla e Ricardo não deixou passar. “Desenhamos um projeto para atender ao fornecimento de energia das empresas de telecomunicação, inicialmente para abastecer antenas de celulares, através de usinas fotovoltaicas. Em abril de 2015 nascia oficialmente a GD”, conta Ricardo.

A BUSCA DAS EMPRESAS PELO SELO VERDE FEZ A DIFERENÇA

A grande sacada é oferecer uma solução completa e que ainda vem com selo verde para o cliente. O negócio não apenas constrói as usinas para geração de energia solar, mas cuida de todo o processo. A começar pela captação de recursos financeiros no mercado.

Para se ter uma ideia, uma planta com 5 MWp, capaz de abastecer cerca de 4 500 casas com energia, sai por cerca de 20 milhões de reais. Mas o cliente não precisa se preocupar com isso. Os valores usados na construção são capital próprio da GD Solar ou recursos de investidores. Ricardo fala mais a respeito:

“A maioria dos nossos clientes não têm vocação de investir capital próprio fora de seu core business Colocamos, então, 100% do valor e o cliente não assume riscos em uma área que não conhece”

A GD Solar também busca terrenos, obtém licenças ambientais e autorização para jogar eletricidade nas redes das distribuidoras, faz a  construção completa e operação do parque. Cada usina é projetada sob medida para atender às necessidades de determinado cliente, desde o porte até a localização.

A GD Solar tem cinco usinas fotovoltaicas em funcionamento em Minas Gerais e mais oito sendo construídas.

“Esse consumidor passa a ter energia suprida por planta fotovoltaica, limpa e sustentável, por valor mais barato do que a energia fornecida pelas concessionárias e, em vários casos, do que a disponibilizada no mercado livre também.”

Como as empresas atendidas são de grande porte, a transição para o consumo somente de energia solar vai sendo feita em etapas. O Banco Itaú, por exemplo, selecionou uma série de agências para serem abastecidas somente com eletricidade vinda de uma planta da GD Solar.

Enquanto cresce o uso da eletricidade vinda do sol, aumenta também a busca das organizações em associar suas marcas ao “ambientalmente correto”, já que isso gera maior valor de mercado e credibilidade entre os clientes. Além do banco, na cartela hoje também estão empresas como Oi, Tim, Droga Raia e Magazine Luiza. Os contratos, segundo o fundador, são de longo prazo: cerca de 15 anos.

PIONEIRISMO E PREÇO COMPETITIVO: UMA GRANDE VANTAGEM

A GD Solar foi pioneira no mercado de plantas fotovoltaicas de maior porte. “Até então existiam só projetos voltados para residência, com colocação de pequenas plantas nos telhados de casa”, diz Ricardo. A primeira usina foi lançada para a operadora de celular Claro em 2016, em Minas Gerais, com capacidade de 800 kWp, (o que daria para abastecer mais de 700 casas com energia por mês).

Cada usina de produção de energia elétrica a partir do sol custa em torno de 20 milhões de reais . A verba vem de capital próprio da GD Solar e investimentos captados no mercado.

De lá para cá, já foram construídas mais quatro usinas e há mais oito plantas em obra (três em Minas Gerais, uma no Ceará, duas em Goiás, uma em Pernambuco e outra no Piauí). “Conseguimos preços competitivos, isso estimulou o mercado a querer comprar nossa energia.”

Entre os projetos mais recentes e inovadores está uma parceria com a BYD, fabricante de caminhões e ônibus elétricos para o abastecimento desses veículos com uso de energia fotovoltaica. A primeira usina deve ser construída no estado de São Paulo e os postos de abastecimento, nos estacionamentos das empresas que operam esses automóveis.

“São os os chamados eletropostos, onde será possível carregar a bateria dos veículos”, diz Ricardo. Nessa primeira fase, será possível atender cerca de 50 caminhões e 15 ônibus com a energia gerada na primeira usina. Mas o projeto é maior:

“Devemos abastecer frotas inteiras, com centenas de ônibus e caminhões. Pretendemos iniciar ainda esse ano a construção de mais quatro usinas para essa demanda”

Parte do mérito é do país tropical em que vivemos. Segundo o empreendedor, são necessários dois elementos para se ter uma planta fotovoltaica eficiente: irradiação solar alta e temperatura ambiente em torno dos 25 graus Celsius. Pois, ao contrário do que possa parecer, quanto mais a placa fotovoltaica esquenta, menos produz.

Outro ponto positivo, segundo Ricardo, é a relativa simplicidade de construção de uma usina fotovoltaica. Para erguer uma planta no padrão que a GD Solar tem feito leva-se em torno de oito meses, já uma convencional, de acordo com o fundador, gasta de um ano e meio a dois anos para ser construída. Ele afirma:

“Hoje a planta fotovoltaica é a mais barata do mercado proporcionalmente a sua capacidade de produção”

E prossegue: “Houve um domínio maior da tecnologia e uma depreciação de outras indústrias, fazendo com que seja altamente competitiva a nível mundial”. Para dar conta da expansão, a GD Solar tem atualmente cinco sócios, todos pessoas jurídicas, e duplicou o número de funcionários nos últimos seis meses, chegando a 72 pessoas. São 55 colaboradores no escritório central e o restante em campo.

Ricardo diz que a larga experiência com gestão de compra e venda de energia elétrica fez toda diferença na empreitada. “Estou nesse mercado há vinte anos. Quando a GD Solar foi concebida, pegamos um pessoal de alta qualidade com experiência de mercado de energia e construção de usinas.”

Como a empresa movimenta um volume grande de capital — até agora já foram investidos em torno de 200 milhões de reais no negócio — os detalhes são imprescindíveis. “É preciso fazer uma série de análises e estudos para se ter um investimento sólido, seguro e que obtenha o retorno buscado. Nesse sentido, a GD Solar tem tido sucesso.”

DRAFT CARD

Draft Card Logo
  • Projeto: GD Solar
  • O que faz: Construção e operação de usinas fotovoltaicas
  • Sócio(s): Ricardo Costa e mais quatro sócios
  • Funcionários: 72
  • Sede: São Paulo
  • Início das atividades: 2015
  • Investimento inicial: R$ 2 milhões
  • Faturamento: 5 usinas em funcionamento
  • Contato: gdsolar@gdsolar.com.br
Veja também:

Verbete Draft: o que é Agroecologia

- 15 de maio de 2019
251 37 0

A Pablita cria anéis, brincos e colares com pastilhas de vidro reaproveitadas da construção civil

- 13 de maio de 2019

A Ecochain impulsiona a reciclagem no interior de São Paulo com uso do blockchain

- 7 de maio de 2019