SPONSORS:

Quebrada Produções, ou como Renata Santos mudou a própria vida levando a favela para o cinema e a TV

- 31 de dezembro de 2018
Da quebrada para o mundo: Renata Santos já trabalhou na produção de comerciais para grandes marcas, além de longa-metragens e séries de TV para a Globo.

Era um dia de dezembro. Renata Santos, 39, distribuía sacolinhas de presentes de Natal para as crianças de Paraisópolis, favela na zona sul de São Paulo com mais de 40 mil habitantes (segundo o Censo 2010), onde ela nasceu e cresceu. O Gilson, presidente da União dos Moradores e do Comércio local, onde ela também atuava, a chamou e pediu: “Renata, você acompanha esse pessoal?”. Era uma equipe de filmagem que procurava cenários para a gravação de uma propaganda sobre urbanização para o Governo Federal. Ali estava o começo do que viria a ser o empreendimento de Renata — a empresa Quebrada Produções, especializada nesse tipo de intermediação — mas ela ainda não sabia.

“Não se pode simplesmente chegar na favela, sacar a câmera, tirar foto e mandar para o cliente”, conta ela, sobre a praxe das empresas de cinema e TV de contactarem associações de moradores ou ONGs que atuam em comunidades pobres da cidade quando precisam fazer um trabalho ali. Naquele dia, ela fez o tour e levou a equipe até os locais onde haviam sido construídos prédios de habitação social. Ao final da andança, pararam para tomar um refrigerante em um bar e Renata – como exímia contadora de histórias – começou a falar sobre sua infância nas ruas então de terra em Paraisópolis. Ela não sabia, mas o câmara havia apertado o REC.

Dois dias depois, Renata recebeu um telefonema da produtora dizendo que queriam que ela e a amiga, que também havia acompanhado a visita, falassem na propaganda. No dia da filmagem, elas se surpreenderam com o tamanho da coisa. “Eram oito caminhões, geradores de energia, algo surreal. A equipe não conseguia se locomover dentro da comunidade, não conheciam nada, tivemos que ajudá-los”, diz.

Isso sem contar os imprevistos. Estavam maquiadas em frente à câmera para falar, e a vizinha ligava o rádio. “Dona Maria, será que a senhora pode abaixar seu forró só um pouquinho?”, Renata intermediava tudo para que o trabalho fluísse. Foi aí que veio a sacada de que aquilo poderia virar trabalho – a essa altura, Renata já realizava eventos na comunidade, como festa de 15 anos, campeonato de futebol, inauguração de loja. Mas cinema era outro esquema.  

Equipe filma em Paraisópolis. Renata é responsável pelo apoio às equipes de transporte, comunicação interna etc.

A vida seguiu até que a Coca-Cola se interessou pelo campo de futebol de terra da comunidade, o Palmeirinha – que dá uma visão geral do bairro com as torres de alto padrão do Morumbi ao fundo. Era um comercial grande, que tinha como protagonista a jogadora Marta (diversas vezes eleita a melhor jogadora de futebol do mundo) e três locais de filmagem: além do campo, uma viela e uma área de urbanização. Entraram de novo em contato com a União dos Moradores e lá foi Renata. Dessa vez, preparada para oferecer mais serviços. Quando o cliente disse que tinha sua própria equipe de produção, discordou:

“Eu disse: vocês podem trazer os profissionais técnicos, claro, diretor, câmera etc. Mas a equipe de apoio, transporte e comunicação interna é fundamental que seja nossa”

A gravação foi marcada para um sábado, dia de feira, quando “a comunidade bomba”, como diz Renata. Seriam 80 figurantes mais umas 60 pessoas da produção circulando. “Vou ter que chamar um pessoal safo para me ajudar”, pensou. Safo é um adjetivo que ela usa o tempo todo para falar de gente esperta, que conhece toda a comunidade e consegue resolver sozinho os problemas.Deu certo. Foram 12 pessoas na nossa equipe de produção. Isso foi o embrião do negócio.”

A Quebrada Produções acaba de ganhar esse nome e ainda não tem logotipo, site ou perfil no Linkedin. Até pouco tempo era apenas “a Renata”, que começou usando o CNPJ da União dos Moradores e só depois virou MEI (Microempreendedor Individual). Ao todo, já são nove anos de atuação e um portfólio que carrega trabalhos para marcas como Gillette e BMW (além do Governo Federal e Coca-Cola), produções para o programa A Liga, da TV Bandeirantes, para a série A Mulher do Prefeito (2013), da Globo, filmes de longa-metragem como Os Parças (2017), além de clipes e documentários.

A profissionalização veio recentemente, em parte graças a um prêmio da farmacêutica Sanofi que viabilizou, via Lei Rouanet, cinco livros-biografias de empreendedoras da periferia e agraciou Renata com 10 mil reais para investir no negócio. “Eu já tinha um bar embaixo da minha casa. Agora estou reformando, fiz o escritório da produtora atrás, comprei computador. E mantive um pub na frente, afinal, esse pessoal de produção de cinema bebe demais”, conta Renata, que não deixa escapar nenhuma oportunidade de negócio.

VAI FILMAR NA FAVELA? USE OS FIGURANTES LOCAIS

O trabalho principal exercido pela Quebrada é conhecido no mercado audiovisual como produção de locação. Quando uma empresa de cinema e TV tem uma demanda de um cliente, uma marca que quer fazer uma propaganda, por exemplo, liga para a Renata, passa o que precisa de cenário (vielas, lajes de casas, campos de futebol etc). Ela sai para rodar na comunidade, fotografa possíveis locais e envia para quem pediu. Se interessar, os profissionais (geralmente o produtor, diretor ou o cenógrafo) vão ao local visitar antes de bater o martelo. Renata também agiliza todo o apoio para o dia da filmagem, como alugar uma casa ou garagem para servir de camarim ou refeitório.

A estrela Marta e Renata, na produção de locação.

No dia da gravação, Renata trabalha com sua equipe, formada por 15 freelancers. “Tenho pessoas que são boas de carregar peso, outras que são agilizadas e conseguem resolver problemas sem me chamar. Vai depender da demanda”, conta. Já houve produções em que trabalharam somente ela e o marido, Igor Carvalho, que toca o negócio em parceria.

As diárias para pesquisa de cenário ficam em torno de 100 reais. No dia da filmagem, o valor varia de 2 mil a 3 mil reais, mais o pagamento de cada integrante da equipe (de 150 a 300 reais a diária de gravação). Tudo isso é detalhado em uma planilha para o contratante, que inclui também o custo de algo que poderia ser considerado um favor. Quando se usa a laje da casa de um morador, por exemplo, ele também recebe. Renata ajuda a negociar o preço, que varia de 50 a 500 reais, de acordo com o tempo de uso e a quantidade de gente que vai subir lá em cima. Renata fala a respeito:

“Temos que cobrar. Se quando fazem produção nos Jardins eles pagam, porque aqui vai ser de graça?”

Ela prossegue: “Eu falo para os moradores que não precisa oferecer cafezinho, nem nada, que tem uma mesa de café montada lá embaixo só para a equipe. Às vezes as pessoas ficam achando que só porque vem alguma celebridade (caso da Marta) não precisa cobrar. Eu digo: precisa sim. Eles estão aqui a trabalho, no final de semana eles não vêm”.

A ideia é fazer o dinheiro girar dentro da própria comunidade. Hoje as produtoras já não levam 80 figurantes de fora. Renata negocia para ao menos metade ser do local. O próximo passo é fazer um casting (seleção de elenco) com os moradores e oferecer o trabalho de figurantes e, quem sabe, até atores locais. “Tem criança bonitinha, orientais, pessoas de vários tipos. Se não encontrar aqui, aí sim procura fora”, diz. Renata vê assim uma compensação à comunidade, além de viabilizar seu trabalho.

“Se estou fechando a rua da casa da pessoa, às vezes em horário de almoço ou em que passaria perua escolar, se estou impedindo que ela abra a janela, pedindo para desligar o rádio, por que não dar a contrapartida dela participar? Assim a comunidade aceita melhor. Pois ninguém tem a obrigação de parar a vida porque está tendo uma filmagem”, afirma, lembrando que alguns moradores precisam negociar folga no emprego para estarem ali no dia. Outros já deixam a chave de casa com Renata, pois estabeleceram confiança.

Dar valor a seu trabalho e à comunidade esteve entre os desafios de Renata. Na verdade, ela só aprendeu isso depois de ralar muito em um comercial com três dias de filmagem, em que cobrou 5 mil reais da produção mas, ao pagar a equipe toda, ficou com 1.500 reais, ou seja, 500 reais a diária. Ela lembra a sensação que teve, ao ver o resultado do trabalho: “Quando assisti ao comercial, vi que tinha o Neymar e o Messi. Fiquei brava”.

Foi conversando com outras produtoras de locação, com quem a essa altura ela já tinha mais intimidade, que pesquisou quanto valeria seu trabalho no mercado. Apesar de ser difícil precificar o que Renata faz comparando com uma produção em regiões diferentes da cidade, pois trabalhar em Paraisópolis tem particularidades às vezes mais delicadas de mensurar.

FILMAR NA FAVELA É MAIS COMPLEXO. QUEM VAI NEGOCIAR COM O CRIME?

O trabalho de Renata é uma negociação o tempo todo e demanda extremo cuidado com todos os envolvidos. Quando uma equipe elege a casa de um morador como cenário, por exemplo, ela vai até lá antes, explica do que se trata, avisa que podem ficar tranquilos, que ela é “nascida e crescida” em Paraisópolis. “Tem todo um respeito com o morador. Volto dez vezes na casa da pessoa se precisar. Às vezes a mulher atende e fala que vai conversar com o marido, por exemplo. Outras vezes preciso ir lá às dez da noite tentar achar o dono da casa, porque a pessoa trabalha o dia inteiro e só chega em casa tarde da noite”, diz. Seu trabalho na União dos Moradores também a tornou conhecida e a fez ganhar respeito na comunidade.

A depender do tamanho da produção e quantidade de pessoas de fora que vão circular na comunidade ela precisa comunicar ao comando do crime (sim!). Às vezes, as empresas enviam seguranças por causa dos equipamentos, que têm um valor alto, e ela precisa saber quantos são, a placa dos caminhões etc.

“Nesse trabalho eu me torno uma pessoa pública e tenho que saber lidar com os dois lados. Pois eles vão embora, e eu fico”

Assim, ela conta que nunca fecha um trabalho em um prazo muito curto, pois precisa estabelecer uma relação de confiança com quem a contrata, falar bastante por telefone e por email. Quando colaborou na produção do longa-metragem O Doutrinador (2018) foram três meses de negociações intensas.

Diferentemente da maioria dos empreendedores, Renata fica sem trabalho não quando os clientes somem, mas quando o clima na comunidade pesa e ela prefere dar um tempo nas produções. Por exemplo, se ocorre algum crime que ganha grande repercussão na imprensa. “As pessoas me ligam e falo que não estou nem em São Paulo”, diz. Renata, assim, também é afetada pela instabilidade social, além da econômica, que já costuma acometer empreendedores. 

Quando a rede Globo decidiu gravar a novela I Love Paraisópolis (exibida entre maio e novembro de 2015) a maioria das cenas foram feitas nos estúdios da emissora no interior do Rio. Mas a pesquisa foi in loco e Renata, claro, participou. Ela conta que veio um produtor carioca e, enquanto caminhavam procurando locações, ele comentava justamente que, no Rio, sabem onde podem ir e em São Paulo não. “Por isso você precisa de mim”, tascou Renata.

O jeito durão e direto conquistou a equipe. Renata acabou sendo inspiração para uma das personagens da trama, Ximena, vivida pela atriz Carol Abras, que inclusive quis conhecê-la. Renata, que começou essa história toda sendo protagonista de comercial de TV, virou personagem de novela. Mas sua história é mesmo de cinema.

COMO REFAZER A VIDA FORA DA CADEIA

Renata é filha única de mãe empregada doméstica e pai que trabalhava em churrascaria. Engravidou aos 18 anos de seu filho Lucas. “Meu pai ficou sem falar comigo”, conta. Mas a vida ficou complicada mesmo em um 12 de dezembro, em 2006, quando foi presa. Anos antes ela havia começado a namorar Preto, que depois de um tempo contou que tinha um cargo alto em uma uma organização de assalto a bancos. Ele foi preso e ela, como visitante, tentou levar droga para dentro da cadeia.

Num dia de visita, Renata estava na fila, com o esquema já combinado. Chegou uma mulher que portaria a droga para dentro da prisão. Elas foram ao banheiro e Renata entregou o invólucro com a maconha, que foi guardado dentro do corpo da mulher. Passaram pela primeira revista. Mas logo, foram paradas pelo guarda. Confrontadas, disseram que não se conheciam. Não funcionou. Foram enviadas ao Pronto Socorro, onde um médico tirou a droga de dentro do corpo da mulher, e, dali pra delegacia. Renata não voltou pra casa. Segundo conta, sofreu abusos psicológicos e foi espancada por um dos funcionários da delegacia, que impediu sua família de vê-la. Foram quatro meses aguardando a audiência em uma comarca no Arujá (SP).

Após ser presa, Renata transformou a experiência em fortaleza para aprender a liderar e empreender no próprio negócio (foto: Bruno Cals).

“A juíza falou: ‘ter bom comportamento não é fazer projetos sociais ou nunca ter tido uma passagem pela polícia, é também saber com quem se relaciona. Vou te dar um tempo para pensar’. Imaginei que seria um ano”, diz.  Veio a pena: sete anos e quatro meses de reclusão e oitenta e cinco dias de multa em dinheiro ou trabalho comunitário.

“Bem-vinda ao inferno. É bem pior do que eu via nas novelas”, foi o que Renata disse a si mesma ao chegar à penitenciária. Ela se desligou de tudo que acontecia do lado de fora, como estratégia de sobrevivência. Falava com o filho pelo telefone, dava broncas, acompanhava os estudos, não queria perder a autoridade de mãe. “Existem trabalhos para se fazer na cadeia, mas é difícil conseguir. Se um guarda não for com sua cara, não deixa você passar para pôr o nome na lista da oficina de costura, por exemplo”, conta Renata, que prestou serviços na enfermaria.

Enquanto isso os advogados trabalhavam do lado de fora, e conseguiram reduzir a pena. Após dois anos e quatro meses, Renata ganhou liberdade e voltou para a mesma casa onde nasceu em Paraisópolis. Logo retomou suas atividades na União Comunitária, até chegar aquele dia de dezembro, em que toda essa nova história se desenrolou.

Renata não tem vergonha de contar que foi presa. Tampouco se vitimiza. “Não dá para apagar. Essa é minha história”, diz. Ela constrói uma narrativa heróica não de superação do que viveu na cadeia, mas de como aproveitar as habilidades que essa experiência lhe trouxe. ”Perdi o medo de aceitar o que vem do outro e o receio de falar em multidão, de liderar.  Fiquei num lugar com um monte de mulheres onde eu tinha que me sobressair”, afirma.

O que ela quer impor hoje é um reconhecimento mais profissional do seu trabalho, que ainda não tem sido visto da maneira como ela gostaria. “As grandes produtoras têm a equipe delas e eu tenho a minha. Tudo o que ela faria num trabalho fora da comunidade, pedir autorização da prefeitura para filmar em espaço público, da CET para fechar rua, é o que eu faço aqui. Isolo rua, bato de porta em porta falar com os moradores”, diz Renata.

Ela também almeja ter contato direto com as agências de publicidade e as marcas clientes. Hoje é tudo intermediado pelas empresas de produção contratadas por eles. Entre seus planos, ainda, está criar uma rede de produtores em outras favelas de São Paulo. Para além de ser uma empresária, Renata deseja que os moradores dessas comunidades entendam seu valor. Quando perguntada se esse seria um empreendimento político, responde. “Dá para se tornar. Quando fazemos com que quem vem de fora enxergue a comunidade como ela é, e não o que passa na mídia, e quem está dentro entenda que é capaz, estamos fazendo política.”

DRAFT CARD

  • Projeto: Quebrada Produções
  • O que faz: Produtora de locação para audiovisual na favela de Paraisópolis
  • Sócio(s): Renata Santos
  • Funcionários: cerca de 15 freelancers
  • Sede: São Paulo
  • Início das atividades: 2009, ainda de maneira informal
  • Investimento inicial: R$ 10 mil (feitos só recentemente, via Lei Rouanet)
  • Faturamento: variável, cerca de R$ 3 mil por diária de gravação
  • Contato: (11) 98616-3403 e (11) 98648-6469
Veja também:

A Taturana viu um nicho no mercado audiovisual – e ali criou seu próprio modelo de negócio

- 4 de setembro de 2018

“O que queremos é sair do discurso sobre diversidade e, efetivamente, praticá-la”

- 4 de julho de 2018

Ensino de programação na periferia e para a periferia. Conheça a trajetória do Jovens Hackers

- 16 de abril de 2018
Arthur, criador do Jovem Hacker, cercado de alunos de Paraisópolis: programação na e para a periferia.