SPONSORS:

Saladorama, um delivery de saladas orgânicas feitas por moradoras de favelas: para elas e para o asfalto

- 24 de agosto de 2015
Hamilton no Santa Marta, famosa comunidade do Rio onde há uma filial do Saladorama. Ele morou numa favela em Niterói durante um mês para conhecer melhor as pessoas e ajustar a comunicação da empresa.
Hamilton no Santa Marta, famosa comunidade do Rio onde há uma filial do Saladorama. Ele morou numa favela em Niterói durante um mês para conhecer melhor as pessoas e ajustar a comunicação da empresa.

O Brasil é o maior consumidor de pesticidas do mundo. Quase metade da população está acima do peso e as doenças cardiovasculares são responsáveis por 30% das mortes anuais (68% delas na população pertencente às classes C, D e E), dados de 2014. Para tentar mudar um pouco essa realidade nasceu, no ano passado, o Saladorama, um negócio social idealizado pelo engenheiro Hamilton Santos e pela nutricionista Mariana Fernandes, que tem como proposta democratizar o acesso a alimentação saudável e ao mesmo tempo ser uma fonte de renda para moradores de favelas.

Em 2013, Hamilton, 26, ainda era um estudante de Engenharia de Produção na faculdade Veiga de Almeida quando começou a sentir necessidade de realizar algo. “A faculdade é um hub de conteúdo, ela não te prepara pra profissão. Eu precisava de outros caminhos, de mais ação”, conta. Com esse propósito, ele fundou a Empresa Júnior da faculdade, ao mesmo tempo em que trabalhava em uma consultoria para ter experiência de mercado. “Eu até gostava do trabalho, mas não via propósito naquilo”, diz. Sua busca por mais sentido na vida profissional o levou até a Artemísia, uma mobilizadora pessoas e organizações para trabalharem na geração de negócios de impacto social. “Me encantei pela frase ‘entre ganhar dinheiro e mudar o mundo, escolha os dois’. É isso que eu queria.”

Daí a virar embaixador Choice (um dos programas da Artemísia) e mentor foi um processo orgânico. Mesmo com essa experiência, no entanto, Hamilton ainda não se sentia pronto para empreender. Procurou, então, um ambiente que pudesse lhe oferecer um aprendizado mais real. Em março de 2014, começou a trabalhar como “gerente de whatever” no Templo, o maior espaço de coworking do Rio de Janeiro onde, como diz o seu cargo, “fazia tudo e mais um pouco”. Ali, em um efervescente ecossistema empreendedor e cercado de jovens sem medo de errar e aprender fazendo negócios, ele resolvia os mais variados problemas, desde consertar o cano da cozinha até a ajudar na organização da parte financeira da casa. Ele fala sobre o aprendizado nessa fase:

“Ao trabalhar num coworking, ganhei um senso de resposta rápida e de não ter mimimi, uma das principais qualidades de um empreendedor”

Hamilton passou seis meses absorvendo tudo que podia, inclusive com a chance de trabalhar com pessoas de uma classe social diferente da sua. O convívio acabou despertando o que seria a semente do seu negócio. “Eu, que morava em São Gonçalo (município do estado do Rio de Janeiro) e não vinha de classe alta, não entendia nada da alimentação deles. Lasanha de berinjela era algo muito estranho pra mim, mas fui sentindo a diferença na minha saúde ao passar a comer aquele tipo de comida. Chegava em casa e queria comer salada, mas não tinha. Comecei a me questionar: será que as pessoas daqui não comem porque não tem?”, conta.

Mariana e Hamilton, sócios da Saladorama, ao lado de Yunus, que visitou o Brasil recentemente.

Isabela Ribeiro e Hamilton Santos, da Saladorama, ao lado de Muhammad Yunus, Nobel da Paz e mentor da aceleradora de negócios sociais pela qual passaram.

O que inicialmente parecia uma necessidade pessoal acabou de mostrando uma demanda coletiva (sim, ele diz, as pessoas da favela não tinham o costume de pensar em alimentação saudável). Isso o inquietou deveras e o ímpeto de criar algo que pudesse dar acesso a alimentação saudável para mais gente fez com que Hamilton se aproximasse de Mariana, uma colega nutricionista que morava na Penha, outra área carente de alimentação saudável. Juntos, eles começaram a estudar maneiras de atacar o problema de uma forma sustentável financeiramente. Ao mesmo tempo em que os dois trabalhavam na ideia, ficaram sabendo que estava aberto o processo seletivo para incubação e aceleração da Yunus Negócios Sociais Brasil. Era a hora, e não deu outra. Em outubro de 2014, eles foram selecionados para o processo. Durante três meses, receberam assessoria para criarem o modelo de negócio e, enfim, começarem a operar. Em janeiro de 2015, venderam a primeira salada.

SALADAS PERSONALIZADAS, TEMÁTICAS OU POR ASSINATURA MENSAL

“Participar do processo de incubação e aceleração do Yunus me fez entender o que eu realmente precisava. E não era dinheiro, necessariamente, mas sim de pessoas que aderissem à causa”, diz Hamilton. O capital inicial para embalagem e ingredientes foi baixo devido às várias parcerias com gente que encurtava o caminho para que tudo fosse mais fácil. Foi com base nessas conexões que ele e a agora sócia conseguirem desenvolver as embalagens, fazer a divulgação da nova empresa e comprar os primeiros lotes de verduras e legumes orgânicos. Com 300 reais tirados do próprio bolso e o valor inestimável de uma rede de entusiastas que se formava, a operação teve início.

“Ficar saudável nunca foi tão fácil”, diz o site do Saladorama, que comercializa sucos e saladas. Na versão salada personalizada, o cliente pode combinar até oito ingredientes dentre os 40 disponíveis, todos orgânicos. A pequena (400g) custa 18 reais e a grande (650g), 20. Também há a opção de saladas temáticas (com nomes como “Força”, “Digestão”, “Bom Humor”, “Atlética” etc), elas são feitas com as receitas da casa e custam de 15 a 18 reais. Os pedidos podem ser feitos através do site, do Facebook ou por WhatsApp, até as 22h do dia anterior à entrega.

Produção de molhos do Saladorama: as funcionárias são treinadas para trabalhar e, também, empreender.

Produção de molhos do Saladorama: as funcionárias são treinadas para trabalhar e, também, para empreender.

Além da compra avulsa, o cliente também pode comprar um plano mensal de assinatura, que dá direito a um número específico de saladas entregues por semana a um preço mais baixo. Nesse modelo, custo dos itens da salada grande (600g) é de 5,80 reais e, com embalagem, chega a 10 reais. O markup (índice de lucro sobre o custo) é de 120%, muito diferente dos até 500% aplicados em média nos restaurantes da Zona Sul carioca.

O Saladorama é um negócio de impacto social, ou seja, uma empresa que colabora com o desenvolvimento econômico e social da região em que atua ao mesmo tempo em que gera lucro para ser reinvestido na própria operação. O lado social está atrás do balcão: a empresa não apenas oferece delivery de saladas orgânicas a preços justos, mas o faz empregando pessoas que moram nas comunidades carentes da cidade. Os funcionários, em sua maioria mulheres, passam por um processo de capacitação de quatro meses, que ensina desde os cuidados com os alimentos, como corte e higienização, até noções de gerenciamento do negócio, para que elas sejam capazes de empreender também. Hamilton fala a respeito:

“Não queremos que elas sejam nossas funcionárias. Queremos que se tornem empreendedoras da comunidade”

A remuneração mínima é de 600 mensais para cada funcionária, pela produção de 200 saladas por equipe. “Assim estimulamos o trabalho em grupo, pois todas precisam se apoiar.” A cada salada produzida além da cota, a equipe é remunerada com 1,50 ou 2 reais, dependendo do tipo de ingrediente usado. Hamilton diz que, assim, a obrigatoriedade não é de trabalho, mas sim de demanda. Com o modelo, elas podem trabalhar para fora e gerar renda extra. “Para mim foi transformador não condicioná-la a receberem o quanto eu quero pagar”, conta.

A empresa começou a operar em São Gonçalo, onde Hamilton mora, e logo se estabeleceu também no Santa Marta, favela na Zona Sul do Rio, de onde opera com a possibilidade de atender pessoas de todas as classes sociais. Para expandir, garantir o salário da equipe da cozinha, locar o espaço e melhorar o site, o investimento foi de 5 mil reais — valor que veio do capital da própria operação. Hoje, o Saladorama tem 20 funcionários (incluindo Hamilton, Mariana e Isabela Ribeiro, designer que também se tornou sócia), atua em quatro unidades no Rio de Janeiro e uma em Recife. Há planos de expandir para Curitiba e São Paulo, além de convites para operar nos Estados Unidos e no México.

A META NÃO É FINACEIRA, É HUMANA: IMPACTAR 50 MIL PESSOAS

Mais alguns detalhes que ajudam a definir o conceito social do Saladorama: do valor final de cada sala, 1 real vai para o artista de rua criador da estampa usada na embalagem. Além disso, as imagens publicadas no Facebook da empresa têm registros em audiodescrição, para que deficientes visuais possam compreender o que mostram. Assim, Hamilton vai contabilizando e visualizando uma teia cada vez maior de pessoas beneficiadas. Ele diz que o Saladorama já impactou mais de 11 mil pessoas com a entrega de 3 mil saladas e hoje tem um faturamento líquido mensal médio de 6,5 mil reais, com grande parte reinvestida na própria empresa. Quando questionado sobre a meta de faturamento da empresa até o fim do ano, ele diz não saber: “Só sei que quero ter impactado 50 mil pessoas.”

A embalagem personalizada do Saladorama vai com o nome do cliente.

A embalagem personalizada do Saladorama vai com o nome do cliente.

Atualmente a rotina dos sócios extrapola a gestão da empresa. Hamilton e Mariana oferecem também palestras gratuitas em favelas, sobre dois tópicos principais: como inserir a alimentação saudável no dia a dia e o que são os negócios sociais. “Tem muito potencial não aproveitado dentro das comunidades”, diz Hamilton. O potencial de aprendizado, nesse caso, é uma via de mão dupla, pois o empreendedor sofreu, cometeu erros e teve de rever princípios para conseguir criar um canal aberto de comunicação com moradores das favelas. Ele próprio sendo um, teoricamente, desfavorecido social também.

Hamilton conta que, no início, imaginou que seria fácil chegar nas comunidades e fomentar a mudança de comportamento. Mas não foi bem assim.

“Entrar numa comunidade para oferecer algo novo quando ninguém conhece seu trabalho é como alguém entrar na sua casa e pegar uma Coca-Cola na geladeira sem te perguntar nada. Não é por aí”

A resposta dos moradores de Vital Brasil (em Niterói), a primeira comunidade em que Hamilton chegou, não foi receptiva como ele imaginava. “Foi aí que eu entendi que precisava ter feito uma pesquisa antes”, diz. Mas o bloco já estava na rua e a solução que ele encontrou foi radical: ele se mudou para lá e, no período em que morou na favela — durante um mês —, fez um levantamento informal sobre hábitos alimentares locais. Puxava papo na pelada, empinando pipa, passando pelos comércios e esquinas.

“Eu sempre começava a mesma conversa: ‘Ai, que vontade de comer uma salada!, para ver como as pessoas reagiam, o que diziam”, conta. E assim, na base da improvisação, que surgiram grandes insights de como ele poderia comunicar sobre o negócio para aquele público, ao mesmo tempo em que as classes A e B também pudessem se sentir convidadas a experimentar o produto. O trabalho de campo deu certo. Hoje, 40% das saladas vendidas vão para as comunidades. Os outros 60% são vendidos para as classes A e B, grande parte para gente que frequenta os espaços de coworking da cidade.

Mariana, sócia do Saladoram, dá uma palestra sobre alimentação saudável e empreendedorismo para universitários.

Mariana, sócia do Saladorama, dá uma palestra sobre alimentação saudável e empreendedorismo para universitários.

Mudar hábitos, fazer um trabalho de educação mudança de costumes com moradores de favelas é uma meta de longo prazo. Mas ele acredita estar no caminho certo. Tanto que o trabalho chamou a atenção de diversas iniciativas — que renderam parcerias importantes, como a com a House of Food, um espaço de coworking para quem cozinha (em São Paulo), com a água Bonafont, da Danone, com o Clube Orgânico, que se intitula o primeiro clube de consumidores de orgânicos da capital fluminense, e com a Junta Local, uma comunidade que reúne produtores e consumidores em torno da comida produzida localmente e vendida a preço justo.

Além de querer impactar 50 mil pessoas até o fim do ano, Hamilton tem mais planos para seu Saladorama. Quer gerenciar melhor a geração de resíduo (além do orgânico, o plástico e papel das embalagens) e pretende lançar uma plataforma interativa Saladorama, em versão web e aplicativo para celular na qual, além dos pedidos, os clientes recebam dicas de nutricionistas, sugestões de combinação de ingredientes de acordo com seu perfil e propostas de objetivos de saúde. “Não é só um aplicativo de saladas, é uma plataforma de educação alimentar”, conta Hamilton. Também está previsto o lançamento de uma linha de sopas e outra de produtos para crianças, a Lancheirinha Saladorama, com muffins, sanduíches e sucos naturais.

Em oito meses de operação, o Saladorama já tomou uma proporção muito maior que os sócios poderiam imaginar. Com um produto mais barato que uma McOferta (o fast food do McDonald’s custa a partir de 20 reais) e com alto valor compartilhado, Hamilton fala sobre o impulso para seguir empreendendo: “Às vezes acho gente criou algo que as pessoas já queriam mas não sabiam como fazer. E não tem segredo: nossa mola propulsora foram as pessoas que acreditaram na gente”. Ai, que vontade de comer uma salada!

25488 Total Views 5 Views Today

DRAFT CARD

Draft Card Logo
  • Projeto: Saladorama
  • O que faz: Delivery de saladas personalizadas
  • Sócio(s): Hamilton Henrique, Mariana Fernandes, Isabela Ribeiro
  • Funcionários: 20
  • Sede: Rio de Janeiro
  • Início das atividades: 2015
  • Investimento inicial: R$ 300
  • Faturamento: R$ 6.500 por mês em média
Veja também:

A Muda Meu Mundo capacita agricultores familiares no Ceará e torna os alimentos orgânicos mais acessíveis

- 28 de outubro de 2019

“Por que não recuperar a imagem do Rio para que a cidade se torne um polo de programadores?”

- 17 de outubro de 2019

Quando o ingrediente não se encontra na feira: a PANCS Brasil transforma “mato” em temperos e conservas

- 23 de setembro de 2019