SPONSORS:

Seleção Draft – Atalhos ou armadilhas?

- 18 de fevereiro de 2019
Tentar cortar o caminho pode apenas confundir o destino final.

Atalhos ou armadilhas?
No Medium, Amanda Woo, fundadora da consultoria de tecnologia Interesting By Default, escreve que falar de startups, como o próprio nome diz, é tratar de algo que está começando, portanto, os resultados podem ser altamente variáveis — e incertos. Segundo ela, os caminhos são diversos, mas nem por isso os atalhos são a melhor saída. Às vezes, eles podem ser armadilhas. Como exemplo, ela cita o pensamento de quanto mais rápido sua startup crescer, melhor. Na verdade, diz a autora, mais vale saber o timing de cada passo. Outra emboscada é acreditar plenamente na intuição. Sim, ela é importante, mas em qualquer negócio é preciso levar a lógica em conta. Amanda também fala da idealização do “produto perfeito”. Isso é uma fantasia, pois tudo está em constante mudança. O que o empreendedor deve se questionar é qual a proposta de valor, quantas pessoas estão dispostas a comprá-lo, quanto cobrar por ele etc. Leia mais no link acima.

 

Debatendo-se com o feedback
O coach Peter Bregman lista 13 maneiras como as pessoas costumam justificar racionalizar ou ignorar os feedbacks negativos que recebem. Entre elas: bancar a vítima, assumir o que foi apontado como falha ou (no extremo oposto) como motivo de orgulho, minimizar o erro, negá-lo, culpar terceiros etc. Em vez disso, ele indica na Harvard Business Review que quem está recebendo o feedback simplesmente agradeça por alguém ter tirado um tempinho para alertá-lo sobre como é possível melhorar. “Respondendo desta forma, você comunica às pessoas que é seguro oferecer feedback e é muito mais provável que elas passem a falar as coisas diretamente para você, e não nas suas costas”, afirma no link acima. Além disso, o autor diz que esse tipo de conselho apenas fortalece quem o recebe. Afinal, é justamente por isso que se chama feedback construtivo.

 

Mentoria de mulheres
Na era do #metoo, Pragya Agarwal, diretora do 50 Percent Projetc (grupo de estudo sobre o status e o papel da mulher), afirma que existem homens com medo de mentorar mulheres por receio de serem acusados de assédio sexual. Na Forbes (link acima), ela cita pesquisas que mostram que desde o início do movimento, o número de homens que hesitam em orientar mulheres mais do que triplicou nos Estados Unidos e um relatório publicado no Fórum de Davos apontou que as empresas estão minimizando o contato entre executivos do sexo masculino e colegas do sexo feminino. Pragya se indigna com a situação e afirma que é justamente neste momento que os homens precisam questionar seus preconceitos inconscientes e suas ações e atitudes em relação às mulheres, pois não serão apenas elas que sofrerão as conseqüências. Os homens não terão a vantagem da diversidade no seu grupo de aprendizes e, portanto, não crescerão e se desenvolverão como mentores e indivíduos.

 

Brain Open
Vão até sexta-feira (22) as inscrições para o Brain Open, iniciativa do centro de inovação e tecnologia da Algar Telecom, para selecionar startups que desenvolvam soluções de forma colaborativa para os setores de agronegócio, energia, micro e pequenas empresas, saúde, logística, indústria 4.0 e área financeiro. Os interessados já precisam ter equipe com dedicação em tempo integral, base de clientes e faturamento. A aceleração, realizada em parceria com a ACE, durará quatro meses e acontecerá em Uberlândia (MG). Mais informações no link acima.

1229 Total Views 1 Views Today
Veja também: