SPONSORS:

Seleção Draft – Cultura vencedora

- 14 de outubro de 2015
Aplicar uma cultura vencedora é focar em pessoas e aprendizado (Imagem: Reprodução)

Crie e mantenha uma cultura vencedora
As chances de sucesso de uma startup estão diretamente ligadas a uma cultura disruptiva. Você pode bolar uma solução incrível, mas é fácil para um investidor diferenciar uma cultura confiante e inovadora de uma baseada no medo e resistência. Esses são os pontos levantados pelo autor texto do Entrepreneur, que diz ter dicas para startups implantarem uma cultura vencedora:

1) Verbalize sobre seus sonhos e objetivos com a sua equipe;
2) Tenha consistência ao valorizar suas prioridades;
3) Adapte sua estrutura de acordo com os pontos fortes de cada colaborador. Não se prenda a cargos;
4) Foque nas pessoas: encontre quem consegue se adequar à cultura e lide rapidamente com desentendimentos;
5) Tente inovar em todas as áreas, não só no produto ou serviço oferecido;
6) Compare sua performance com a concorrência. Olhar para dentro não é suficiente;
7) Crie oportunidades para as pessoas continuarem aprendendo;
8) Faça eventos internos que possam unir a equipe e discutir sobre como melhorar o produto;
9) Dê motivos para que os colaboradores sintam orgulho de trabalhar na sua startup;
10) Tenha em mente qual é o legado que a startup quer deixar.

Leia mais no link acima.

 

Com qual internet vamos conectar o mundo?
Conectar o mundo tem sido uma das missões mais comentadas do momento. Na ONU, figuras como Mark Zuckerberg e Bono Vox falaram recentemente da importância de expandir a internet. Mas a reportagem da Slate (no link acima) diz que isso não é suficiente, pois é preciso pensar na qualidade dessa internet em termos de segurança, liberdade de expressão e acessibilidade. O autor diz:

“À medida em que a conectividade é discutida em fóruns globais, líderes deveriam assumir o desafio de construir uma plataforma para os direitos humanos na era digital, que ofereça aos 4 bilhões de novos usuários uma conexão aberta e segura”

 

 

Jovens hackers
A partir de hoje, o Labhacker, espaço democrático de discussões e oficinas tecnológicas em São Paulo, convoca jovens de 14 a 20 anos para participar de aulas de programação de criação de software. Até 30 de novembro, os interessados poderão frequentar os encontros todas as segundas e quartas-feiras. O curso é gratuito, mas as vagas são limitadas. Clique aqui para se inscrever.

 

Trabalho com significado
A coach e facilitadora de grupos Lella Sá vai oferecer um curso do dia 19 de outubro a 14 de dezembro em São Paulo, no bairro da Vila Madalena. Batizado de Travessia, ele terá 11 encontros onde os alunos poderão entender a sua metodolgia “Bússola Interna”, que busca desenvolver a capacidade autoral e empreendedora de indivíduos. Ao fim do curso, Lella espera que os alunos saiam de lá com ferramentas para procurar trabalhos com significado. O investimento é de 1 139 reais. Saiba mais no link acima.

Veja também:

Ensino de programação na periferia e para a periferia. Conheça a trajetória do Jovens Hackers

- 16 de abril de 2018
Arthur, criador do Jovem Hacker, cercado de alunos de Paraisópolis: programação na e para a periferia.

Verbete Draft: o que é Neutralidade da Rede

- 11 de abril de 2018
2170 1 0
A Neutralidade da Rede não é uma lei, mas um princípio que classifica o serviço de internet como de utilidade pública (Imagem: Mike MacKenzie-Flickr/Reprodução).