SPONSORS:

Seleção Draft – Empresas incubadoras

- 22 de abril de 2019
Cada dia mais as empresas apostam em projetos paralelos de seus funcionários, mas, claro, querem algo em troca.

Empresas incubadoras
A Folha de S. Paulo conta como empresas tradicionais têm se tornado verdadeira incubadoras, dando oportunidade para funcionários desenvolverem projetos inovadores e — paralelos — durante o expediente. Em contrapartida, em algumas companhias, como menciona o texto (link acima), a equipe “corre o risco de ter sua ideia de negócio apropriada por um superior ao longo do caminho”. Mas não são todos os chefes que dão temo para os intraempreendedores se dedicarem exclusivamente a criar suas startups e, no fim das contas, o funcionário acaba tendo que trabalhar mais e levar tarefa para casa, afirma Maximiliano Carlomagno, fundador da Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação:

“As empresas costumam dar o tempo de um ‘projetinho’ para um ‘projetão’. Mas não é todo dia que o funcionário quer tocar o projeto da empresa em casa e à noite”

 

Bancos contra as fintechs
Ao que parece, está em curso uma “guerra” entre bancos e fintechs com relação à redução de taxas das maquininhas para o varejo. De acordo com o Valor Econômico, o primeiro a reduzir a cobrança foi o Getnet, do Santander; seguido pela operadora Rede, que tem por trás o Itaú; e o SafraPay. Cada um adotou um modelo (desde isentar o cliente da taxa de antecipação das operações de crédito à vista até liquidar taxas no crédito à vista e parcelado para vendas no valor máximo de 50 mil por mês). Um dia após o anúncio da Rede, na quinta-feira passada, sem ter como competir com essas condições, Stone e PagSeguro fecharam suas ações em queda de 23,69% e 9,74%, respectivamente. Leia mais no link acima.

 

A nova era do varejo
Danilo Nascimento, sócio-diretor da Propz (empresa que oferece soluções de CRM, inteligência analítica e big data), afirma, no Startupi (link acima), que a quantidade de informações disponíveis em diversos setores é cada vez maior e saber fazer sua análise é imprescindível para o sucesso das companhias. Segundo ele, usar todos esses dados que estão na palma da mão dos negócios para personalizar o atendimento e o relacionamento é o que se pode chamar de “Nova Era do Varejo”. Ele cita um estudo que diz que 91% dos consumidores estão mais propensos a comprar de empresas que lembram deles e são capazes de oferecer propostas relevantes. Outro levantamento mostra que 49% compraram itens que não pretendiam adquirir por causa de recomendações personalizadas da marca. Ainda falando sobre o futuro do varejo, vale a pena assistir esse vídeo em que Adriano Silva, publisher do Draft, conversa com Artur GrynBaum, CEO do Grupo Boticário. Ele diz algo semelhante a Danilo: “as lojas se tornarão ‘point of trust’.

 

Ocyan Waves Challenge
Vão até domingo (28) as inscrições para o programa de aceleração Ocyan Waves Challenge. A empresa, que atua no setor de óleo & gás, busca 20 startups com soluções para oito desafios internos da companhia. Os negócios precisam comprovar o desenvolvimento de um produto viável e testado em pequena escala ou que esteja no mercado para participar do programa, que terá quatro etapas. Os empreendedores também precisam ter disponibilidade para comparecer aos encontros, no Rio de Janeiro e em Macaé. Os finalistas receberão suporte para o desenvolvimento de projeto piloto in loco e poderão se tornar fornecedores ou parceiros Mais informações no link acima.

Veja também:

A Softplan abriu mão do “gestor onipotente” e criou um ambiente mais horizontal para favorecer a inovação

- 11 de abril de 2019