SPONSORS:

Seleção Draft – Inimigos da startup

- 30 de setembro de 2015
A concorrência pode ser a menor das ameaças à sua empresa (Imagem: Royalty-Free/Corbis - Reprodução)
A concorrência pode ser a menor das ameaças à sua empresa (Imagem: Royalty-Free/Corbis - Reprodução)

Os inimigos (reais) de uma startup
Se você acha que a maior ameaça para o seu projeto é a concorrência, é hora de repensar. O artigo do Medium (link acima) diz que existem “inimigos” muito mais nocivos para uma startup do que outra que ofereça um serviço similar. Por exemplo:

1) Ter um produto ou serviço fraco;
2) Ter um fluxo de caixa fora da realidade;
3) Ter um atendimento instatisfatório;
4) Ter uma estratégia de vendas ruim.

Tudo isso, somado a uma atitude exagerada perante aos concorrentes, pode ser nocivo para a sua empresa. O autor, Nic Haralambous, dono uma startup que está longe de ser a única no ramo, diz:

“Costumo ficar mais tranquilo quando lembro que muitas empresas cometem esses erros. O mercado tem sempre lugar para quem quer construir um negócio de valor”

 

 

Os contras de trabalhar no Google
Conseguir uma vaga em uma empresa mais cobiçadas do mundo é o sonho de muitos profissionais. O Google, por exemplo, além de ter se tornado um verbo, é conhecido por reunir grandes talentos e oferecer um ambiente de trabalho super moderno. Mas nada é perfeito. O texto do Business Insider divulgou as principais queixas dos funcionários:

1) A fartura de “mentes brilhantes”, que faz com que pessoas superqualificadas tenham que resolver problemas simples demais;
2) A régua para medir desempenho são sempre métricas;
3) O trabalho é non-stop, separar vida pessoal é sonho mesmo;
4) Não há diversidade: eles podem contratar 100 pessoas com o mesmo perfil;
5) Se você não é um técnico, é fácil se sentir só mais uma engrenagem.

A reportagem, além de derrubar alguns mitos, mostra os dois lados da cultura da empresa. Leia mais no link acima.

 

A startup que enriqueceu com doações
Ganhar dinheiro e fazer um trabalho social parece o melhor dos dois mundos. A Omaze conseguiu. Fundada por Ryan Cummins e Matt Pohlson, a startup que cria vídeos virais promovendo campanhas de doações arrecadou mais 9 milhões de dólares em investimentos e dedica seus esforços para causas sociais. Funciona assim: em vez apenas pedir a doações das pessoas, ela oferece uma experiência única ao doador em troca do dinheiro, como, por exemplo, um ingresso em local privilegiado para ver uma partida de basquete. O resultado é eficaz, tanto que celebridades já se ofereceram para apoiar a empresa, como Arnold Schwarzenegger e o diretor JJ Abrahms, do novo Star Wars. Leia o texto do The Verge no link acima.

 

DTW Preview em SP
O Design Thinking Weekend, evento que já recomendamos aqui, anuncia agora uma palestra para introduzir o evento, no dia 5 de outubro. Gabriel Coelho, o próprio idealizador da DTW, vai falar sobre inovação de modelos profissionais e como a sua experiência o motivou na busca por uma carreira fora de agências. O local escolhido foi o Cubo Networking, em São Paulo. Para se inscrever gratuitamente, acesse o link acima.

Veja também:

Verbete Draft: o que é Cultura do Algoritmo

- 3 de agosto de 2016
Winona Ryder é uma das estrelas de Stranger Things, série da Netflix cujo sucesso vem sendo atribuído à Cultura do Algoritmo (imagem: reprodução).