SPONSORS:

Seleção Draft – Lições do escândalo

- 22 de maio de 2018
O vazamento da Cambridge Analytica mostra a necessidade das empresas aprenderem a usar de forma ética os dados de seus usuários.
O vazamento da Cambridge Analytica mostra a necessidade das empresas aprenderem a usar de forma ética os dados de seus usuários.

Lições do escândalo
No dia em que Mark Zuckerberg depõe no Parlamento Europeu sobre o vazamento de dados dos usuários do Facebook pela Cambridge Analytica, o e27 aponta lições que esse escândalo pode ensinar para outros negócios. Entre elas, o texto destaca que o Big Data é capaz de obter bons insights sobre as necessidades, preferências, aversões e até inclinações futuras da audiência, mas é preciso saber aplicar esse recurso no momento certo e com transparência. O artigo ainda fala sobre a necessidade de leis para utilizar essas informações e de protocolos para garantir a segurança dos usuários no momento da coleta. Leia mais no link acima.

 

Startup no ponto
No Entrepreneur, Jared Hecht, CEO da Fundera (plataforma que conecta pequenos negócios a investidores) lista, no link acima, os sinais que mostram que uma startup está pronta para buscar fundos. Entre eles:

1) A ideia atende uma necessidade real;
2) O produto/serviço foi testado e aprovado
 antes;
2) Já foram definidos o modelo de negócios e um plano financeiro;
4) A empresa conta com um time qualificado e com a mesma visão.

 

Nem tudo é disrupção
Em seu blog, no UOL (link acima), Henrique Eszklo, fala sobre a frequente confusão entre criatividade e disrupção. Dois termos que de tanto serem usados — de forma imprópria — acabaram virando espuma. Para ele, disrupção implica em mudar o comportamento da sociedade de forma radical, enquanto a criatividade não é tão exigente. “Precisa apenas provocar um ‘ah!’ nas pessoas.” Além de claro, trazer originalidade e utilidade, como alerta:

“Não se engane: criatividade é que nem água. Se não souber usar ela pode acabar”

 

Desafio Conexsus
O Conexsus (organização sem fins lucrativos que trabalha na estruturação de modelos produtivos de baixo carbono) acaba de lançar o Ciclo de Desenvolvimento de Negócios Comunitários Sustentáveis. O objetivo é mapear, em todo o Brasil, negócios que atuam na base das cadeias produtivas de impacto socioambiental e selecionar 70 para receber soluções customizadas para seus principais gargalos. As inscrições podem ser feitas até julho no link acima.

Veja também:

Sempre sonhou em ter um sítio? Não precisa mais: na Sta. Julieta Bio é possível ser “sócio” da produção

- 19 de novembro de 2018
882 1 0
Rafael Coimbra fala como largou uma agência de publicidade para produzir cestas de alimentos livres de agrotóxicos em um sistema colaborativo e com compradores conscientes do propósito do negócio.

Tâmara Garkisch cria festas com decoração sustentável – que pode ser usada depois no quarto da criança

- 7 de novembro de 2018
2014 5 0

Com iniciativas que unem engenharia e permacultura, a Fluxus quer resolver o problema da gestão da água

- 5 de novembro de 2018
2058 7 0