SPONSORS:

Seleção Draft – Moedas próprias

- 5 de fevereiro de 2018
Para driblar a burocracia, startups começam a criar suas moedas (Imagem: Pixabay/Reprodução)
Para driblar a burocracia, startups começam a criar suas moedas (Imagem: Pixabay/Reprodução)

Moedas próprias
No Link, o Estadão fala sobre a nova aposta das startups: investir na criação de moedas digitais próprias para conseguir dinheiro de forma menos burocrática. Segundo o artigo, esta tendência seria uma boa substituição ao financiamento coletivo pela internet e uma forma de democratizar a captação de recursos. A diferença é que, em vez de fazer uma doação e ser um dos primeiros a receber o produto, o interessado recebe códigos numéricos (tokens que guarda em sua carteira virtual) e, no futuro, pode usar essas moedas para adquirir produtos ou serviços da empresa que financiou. A primeira a usar essa estratégia por aqui é a Wbio, fabricante de microscópios conectados à internet. Leia mais no link acima.

 

Vontade de dominar o mundo
Franklin Luzes, COO da Microsoft Participações, acredita que falta às startups nacionais ambição para expandir e operar fora do Brasil. Em entrevista à Época Negócios (link acima), ele fala de iniciativas da gigante de software para impulsionar o ecossistema local, como a BR Startups, e das dificuldades enfrentadas nesta empreitada. Para Franklin, os empreendedores ainda precisam entender melhor sobre modelo de investimento, governança e gestão, ter menos aversão ao risco e pensar grande. Neste último quesito, encoraja a perda da timidez e recomenda que façam como os unicórnios, que “já nascem pensando em dominar o mundo”.

 

O timing da crise
À primeira vista, pode parecer sem sentido, mas períodos de recessão econômica são os mais favoráveis para lançar uma startup. É o que destaca o The Next Web ao citar gigantes como o Facebook, o Twitter e o Airbnb, que deram os primeiros passos nesta condição. A falta de concorrência ou sua vulnerabilidade, a busca dos clientes por soluções mais baratas, a necessidade de inovação e a disposição de bons profissionais para abraçar novas oportunidades são alguns dos fatores apontados no texto (link acima) como positivos para quem busca fundar um negócio em épocas de crise. 

 

100% Saúde
A Prefeitura de São Paulo, em parceria com a IBM, promove o 100% Saúde. A iniciativa busca 300 startups com soluções tecnológicas na área da saúde na capital paulista. As selecionadas vão receber mil dólares mensais em créditos durante um ano para usar em aplicações de serviços na plataforma de nuvem IBM Cloud. Para participar, é necessário que o negócio já esteja operando e tenha faturamento anual de no máximo 3,6 milhões de reais. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo link acima até o próximo dia 20.

Veja também:

“No Canadá, aprendi que ninguém vive de nome. Ter uma boa reputação não basta, você precisa ser bom todo dia”

- 9 de novembro de 2018
2076 5 0

Verbete Draft: o que é STO

- 8 de agosto de 2018
1706 1 0

Entenda por que o Canadá está se tornando o novo destino dos empreendedores brasileiros

- 11 de julho de 2018