SPONSORS:

Seleção Draft – O peso do propósito

- 7 de dezembro de 2018
Gerar impacto social e resultado financeiro pode ser difícil, mas não desanime!
Gerar impacto social e resultado financeiro ao mesmo tempo pode ser difícil, mas não desanime!

O peso do propósito
Ewald Kibler, professor assistente na Aalto University School of Business, questiona na Harvard Business como empreendedores sociais podem resolver desafios como a pobreza, a saúde e o desenvolvimento sustentável sem acabar esgotados. Ele não dá a resposta para essa pergunta, mas mostra uma pesquisa realizada por seu grupo de estudos, na Inglaterra, que concluiu que o estresse é um problema comum entre fundadores de negócios sociais. “Ao tentar alcançar objetivos comerciais e, ao mesmo tempo, desenvolver a comunidade, eles tendem a se sobrecarregar com muitas responsabilidades e, consequentemente, acabar com seus recursos pessoais, inclusive, a saúde.” Leia no link acima.

 

Mais do que tecnologia
No Your Story (link acima), Puran Singh, professor no Indian Institute of Technology Mandi, diz que muitos empreendedores ficam totalmente absorvidos pela tecnologia por trás de suas soluções, mas poucos são capazes de orientar seus desenvolvedores a criarem algo pensado do ponto de vista do usuário. Segundo ele, para um produto ou serviço ter sucesso, não basta apenas uma boa tecnologia. É preciso manter o sistema simples para facilitar a vida do cliente, focar nas necessidades dos consumidores (e não no que você quer oferecer), entender que não há como construir algo para cada tipo de usuário (ou, no fim, não se cria nada para ninguém) e saber que para focar no seu público-alvo é essencial uma boa pesquisa de mercado.

 

Onde buscar grana?
Existem diversas fontes para buscar recursos financeiros quando se decide fundar uma startup. O Startups.co apresenta várias opções no texto do link acima. A primeira e mais simples é tirar dinheiro do próprio bolso, ou seja, o conhecido bootstrapping. Mas se isso não for possível, também tem como pedir aquela ajudinha a familiares e amigos (deixando bem definida a relação pessoal e a de fiador), pesquisar fundos de venture capital (ideal para quem quer escalar rapidamente), investidores-anjos e aceleradoras (esses dois podem garantir além de tudo uma boa mentoria), subsídios governamentais (bastante concorridos), crowdfunding (aproveitando o máximo da rede de contatos) e rodadas de investimento. Para visualizar de forma mais clara esse tipo de informação, veja o infográfico sobre o tema, publicado recentemente aqui no Draft.

 

BNDES Garagem
Estão abertas até 27 de janeiro as inscrições para o BNDES Garagem, iniciativa de inovação do banco, em parceria com a Liga Ventures e a Wayra. São dois programas: o Criação, com duração de quatros meses e focado em ajudar empreendedores a tirar suas ideias do papel, e o Aceleração, com duração de seis meses e que busca auxiliar startups em operação a crescerem e ganharem o mercado. Ao todo, serão selecionadas até 60 negócios.

Veja também:

Com o crowdfunding imobiliário, a Bloxs promete uma rentabilidade melhor que a da poupança

- 21 de março de 2019
860 18 2

Eles largaram a carreira na área de Engenharia Química para montar a Annora, uma fábrica de bebidas vegetais

- 11 de março de 2019

“Empreender em negócios de impacto é bem mais difícil do que eu imaginava”

- 8 de março de 2019