SPONSORS:

Seleção Draft – Quando o estresse vira motivação

- 23 de janeiro de 2019
Usado de forma inteligente, o estresse pode te motivar e levar a realizar mais do que você imaginava.

Quando o estresse vira motivação
Entrepreneur (link acima) ressalta as diferenças entre o estresse crônico (aquele que nos deixa com a sensação de sobrecarga e atolados em uma mentalidade negativa que fatigante tanto física quanto mentalmente) e o estresse que pode nos ajudar a permanecer motivados. Pessoas de sucesso aprenderam a usar o estresse a favor delas e reconhecem a linha tênue entre o bom e o mau estresse. O texto sugere, por exemplo, que se reconheça o estresse bom (a empolgação ou a reação a surpresas) como parte do que nos ajuda a funcionar. Então, é útil abraçá-lo como meio para desenvolver resiliência. Um aspecto a ser considerado é que há muitas coisas completamente fora do nosso controle, menos nós mesmos. Portanto, não culpe os outros por suas ações. É recomendado também que se entenda que ruminar é diferente de resolver problemas. A partir daí encare o estresse como oportunidade de evolução.

 

Estratégia go-to-market
O indiano Pavan Soni, professor e fundador da consultoria de inovação Inflexion Point, escreveu um artigo no Your Story em que defende que as startups façam o go-to-market o mais cedo possível, a fim de descobrir se a boa ideia do papel sobrevive ao encontro com a realidade. No link acima, ele oferece práticas para empreendedores em estágio inicial:

1. Fuja da armadilha de só pensar em marketing quando o produto está 100% pronto;
2. Venda o problema antes da solução, porque o cliente quase nunca tem clareza;
3. Não pense apenas nos early adopters. Alavanque a heterogeneidade do mercado;
4. Crie uma proposta de valor diferente para cada segmento do público;
5. Não permaneça estático. Mantenha sua solução adaptável ao mercado.

 

E-commerce híbrido
O futuro é omnichannel e a briga entre o comércio offline e o online está apenas começando. Segundo um artigo do e27 (link acima), quem sai na frente nessa corrida são os e-commerces, que crescem no mundo todo. A análise foi feita com base na percepção de que os players online têm mais experiência e conhecem mais o comportamento do cliente. Assim, é natural que eles explorem o espaço físico também, em um modelo híbrido. Esse modelo ajudaria os varejistas online a ganhar credibilidade, conquistar uma nova base de consumidores, bem como avaliar o mercado. As principais vantagens destacadas do omnichannel são: o gasto de marketing é reduzido e aumenta-se as vendas; a experiência tátil, sensorial e presencial para os clientes é fator agregante; e há possibilidade de um melhor planejamento de capacidade e armazenamento de estoque.

 

#VozesQueInspiram
Estão abertas até o dia 15 de fevereiro as inscrições para o programa de bolsas #VozesQueInspiram. Criado pela P&G em parceria com a ONG Vital Voices, o objetivo da iniciativa é apoiar jovens latino-americanas, de 18 a 22 anos, que lideram projetos de impacto social em áreas relacionadas ao meio ambiente, empoderamento da mulher, saúde e higiene. As selecionadas receberão apoio de mentores; participarão de uma reunião presencial em Buenos Aires, na Argentina, para discutir seus projetos, onde passarão por diferentes treinamentos relacionados à liderança; e ainda terão a oportunidade de solicitar subsídios econômicos para apoiar seus projetos. Mais informações e inscrições pelo link acima.

Veja também:

Verbete Draft: o que é Retail Apocalypse

- 6 de fevereiro de 2019

Ao integrar canais de venda online e offline, a Neomode quer transformar a experiência de compra no varejo

- 13 de novembro de 2018