SPONSORS:

Seleção Draft – Reconquiste a confiança

- 14 de março de 2019
As empresas de tecnologia precisam se esforçar para recuperar a fé que seus usuários depositavam nelas.

Reconquiste a confiança
Michael Litt, CEO da plataforma de video marketing Vidyard, escreve sobre a importância das empresas de tecnologia recuperarem a credibilidade junto aos usuários em tempos de tantos escândalos para esses negócios. Afinal, é cada dia mais difícil se sentir seguro de como e para que seus dados estão sendo usados. Na Fast Company, ele afirma:

“Não é suficiente para as empresas se contentarem que as pessoas aceitem a tecnologia como um mal necessário em troca de conveniência”

Para garantir que os usuários voltem a ver essas organizações como aliadas, o autor indica que elas se atenham à transparência como um fator primordial (o passo número um é simplificar os termos de acordo de uso de dados para que as pessoas saibam, de fato, o que estão tornando público), automatizem apenas o que é condizente (não adianta repassar às máquinas serviços que elas são incapazes de fazer como os humanos e, assim, dobrar o trabalho do cliente) e garantam que a proposta de personalização não seja apenas uma propaganda falsa (vale lembrar: recomendar um produto que você acabou de comprar não é personalização!). Leia mais no link acima.

 

Transformação digital é outra coisa
A Harvard Business Review (link acima) destaca que a transformação digital de uma empresa não se trata apenas de melhorias tecnológicas. Antes de investir nisso, o empreendedor precisa se ater a outras questões. O texto lista cinco delas:

1) Entender qual a estratégia do negócio;
2) Valorizar e preparar melhor a equipe;
3) Desenhar a experiência do cliente “de fora para dentro”;
4) Compreender que os funcionários têm medo de serem substituídos pelas máquinas;
5) Apostar na cultura da agilidade, da prototipação e do lean (modelo enxuto). 

 

Como popularizar os wearables
Quando os celulares surgiram, ninguém poderia imaginar que seus usos seriam bem mais sofisticados do que simplesmente realizar ligações. O ReadWrite usa a analogia com os smartphones atuais para falar dos wearables, apontando que o Google Glass e o Fitbit ficarão no chinelo com o potencial que esses recursos terão a oferecer para a área da saúde. De acordo com o link acima, conseguir calcular o número de passos de uma pessoa ou a frequência cardíaca é só um começo. Mas os wearables tendem a caminhar no sentido da prevenção de doenças, eliminando visitas aos hospitais e colaborando para um novo modelo de medicina preventiva.

 

Acelera SAB
Vão até 4 de abril as inscrições para o Acelera SAB, iniciativa do Instituto SAB voltada para negócios de impacto que atuem na prevenção e na minimização de riscos à saúde. O foco do programa é saúde da mulher, medicina preventiva, reabilitação, bem estar e alimentação. Serão selecionadas até cinco startups para receber pilotos financiados, equity free, mentoria, conexão com players desse mercado, coworking e uma viagem ao Vale do Silício. Mais informações no link acima.

1519 Total Views 1 Views Today
Veja também:

Verbete Draft: o que é AIoT

- 17 de julho de 2019