SPONSORS:

Seleção Draft – Salários

- 7 de maio de 2015
Há necessidade de as empresas serem transparentes com seus salários? (Imagem: BBC/Reprodução).

Quando a transparência de salários faz bem
Em alguns pólos de inovação há uma tendência de as empresas trabalharem com o que chamam de “transparência de salários”, ou seja, dizer abertamente quanto cada um ganha. Exigir isso foi uma das formas de os funcionários se protegerem e de terem referências em um mercado cada vez mais líquido, onde é comum pular de um emprego a outro. Ao mesmo tempo, os CEOs veem certa vantagem em poder se aproximar mais dos colaboradores e regular os salários do mercado.

Na contramão, há ainda muita resistência das pessoas exporem seus pagamentos, além de colocar as empresas em situações delicadas: um funcionário contratado em tempos de crise pode ganhar menos do que um convocado em tempos de abundância, apesar de ambos serem igualmente competentes. Por isso, o artigo acima, da Inc, recomenda trabalhar com pagamentos abertos em três situações:

1) Quando os candidatos estão muito ávidos para saber o salário
2) Quando sua empresa precisa se equilibrar com o mercado
3) Quando você valoriza, e pratica, a meritocracia dentro da empresa

 

Os mitos das empresas de software
Muita gente acredita que todas as empresas de software hoje faturam bilhões. É mentira. Apenas algumas – bem poucas, na verdade — ganham isso. Pelo menos é o que indica uma pesquisa da McKinsey, que analisou mais de 3 000 companhias e descobriu que apenas 0,4% têm receita superior a 4 bilhões de dólares (e só 3% têm receita de mais de 1 bilhão). Com esses dados em mãos, eles entrevistam executivos de 70 empresas e concluiram que há, até, uma certa margem para esta receita crescer. A fórmula não-mágica diz que o crescimento acontece em duas fases, são elas:

1) Na primeira, o foco é pegar o mercado certo: definir um bom modelo de monetização para escalar, focar em inovação rápida, ser discreto enquanto estiver desenvolvendo novos produtos, ter incentivos para criar grandes líderes;
2) Na segunda, você já precisará de um modelo de negócios robusto e flexível: capacidade de ir para outros mercados, conseguir transformar seu produto em uma plataforma.

 

Semana de Economia Colaborativa
Entre os dias 11 e 17 de maio acontece em todo o mundo a Semana de Economia Colaborativa, onde qualquer pessoa é incentivada a organizar eventos para discutir o tema. Aqui no Brasil, as primeiras discussões acontecerão na Laboriosa89, Matilha Cultural e House of Learning – todos em São Paulo. Mas, como bem vem ao caso, qualquer um que queira propor e ou realizar novas conversas é bem-vindo. Basta acessar o link do evento, acima, e se informar.

 

O melhor do Draft ao vivo
Novidade na programação: amanhã às 12h estreamos um programa ao vivo, transmitido por streaming sempre às sextas-feiras com o melhor do Draft na semana. Apresentada pelo publisher Adriano Silva, a conversa será um “Hang Out on Air”, disparado a partir de nossa página no Google Plus, no link acima. Você é nosso convidado de honra! Conecte-se. Estaremos aguardando. Ah! E se você ainda não assina a nossa Newsletter, aproveite e faça isso agora! 😉

Veja também:

Para facilitar a rotina das PMEs, a Omiexperience gerencia, na nuvem, suas informações financeiras

- 16 de abril de 2019

Economia colaborativa é legal, mas não é o único caminho: como a Carioteca virou Decah para evoluir

- 20 de dezembro de 2018

Como, em menos de dois anos, o Instituto Procomum viu seus projetos de transformação social ganharem peso

- 22 de novembro de 2018