SPONSORS:

Seleção Draft – Ser ou não ser remoto?

- 23 de agosto de 2016
Trabalho remoto não é para todo mundo. A sua startup funciona assim? (Imagem: Fabio Bruna - Flickr/ Reprodução)

Ser ou não ser remoto?
Não são poucas as vantagens do trabalho remoto, o famoso home office. Menos gastos, mais flexibilidade, a possibilidade de ter equipes em diversos lugares diferentes etc. Mas a tendência pode não ser o melhor para a sua startup. Em seu texto no The Next Web, Zachary Weiner fala do “outro lado” de ser remoto. Nas lista de desvantagens, ele inclui o isolamento, a falha na comunicação com seus colegas por falta de interação ao vivo, a perda de motivação e a famosa armadilha de passar o dia todo de pijama. Leia no link acima.

 

VCs não são heróis
Fred Wilson, autor do texto do link acima, é um investidor de risco, e por isso ele se sente na obrigação de dizer a jovens empreendedores que nem ele nem seus colegas devem ser vistos como heróis. Ele diz que VCs sentem a necessidade de se tornarem relevantes e gostam de dar conselhos – mas nem tudo deve ser levado à risca. Portanto, Wilson recomenda:

“Empreendedores precisam escutar atentamente, mas não agir com pressa”

Considere pontos de vista diferentes, filtre o que investidores dizem e siga seu instinto. Essas são as suas dicas.

 

Rótulos que atrapalham
A forma de apresentar a sua empresa aumenta ou diminui as chances dela cair nas graças de um investidor. No TechCrunch, Joanna Glasner reuniu alguns dados sobre rótulos que startups costumam usar para se descreverem, e aponta os erros:

1) Dizer que sua empresa trabalha para a economia compartilhada é uma estratégia fraca;
2) O termo “curadoria” também está em queda, por ser usado com tanta frequência;
3) Se definir como “o Uber de algo” não te dá o mesmo respaldo que o app de caronas pagas.

Leia mais no link acima.

 

Arquitetura da Escolha
Luciano Lobato e Giovanni Gaeta, ambos da NudgesLab, startup facilitadora de mudanças comportamentais através de projetos de Arquitetura da Escolha, vão promover no dia 3 de setembro um workshop sobre o tema. O curso, que será realizado em São Paulo e custa 145 reais, vai ajudar os participantes a organizarem contextos e ambientes para influenciar decisões das pessoas, com base na psicologia. Para se inscrever, acesse o link acima.

2320 Total Views 1 Views Today
Veja também:

Que tal uma agência de publicidade sem sede, sem chefe e com remuneração aberta? É o que a Humans propõe

- 8 de novembro de 2017
Max Nolan Shen, Mariana Rocha e Márcio Araújo, três dos 18 sócios da agência Humans (foto: Fernanda Sophia).