SPONSORS:

“Sem eu perceber, a vida me ensinou que não era indo atrás de dinheiro que eu o encontraria”

- 16 de fevereiro de 2018
Tato Levicz, criador do Super Pads, conta como superou a trinca "emprego público + burnout + falta de propósito" antes de conseguir juntar sua habilidade a algo que fizesse sentido, e desse grana.
Tato Levicz, criador do Super Pads, conta como superou a trinca "emprego público + burnout + falta de propósito" antes de conseguir juntar sua habilidade a algo que fizesse sentido, e desse grana.

 

por Tato Levicz

Sempre fui quebrado. Nasci em uma família sem grana, caçula de seis filhos. Aos 12 anos, aprendi a cantar e tocar violão. Aos 14, já tocava em bares para conseguir ganhar dinheiro. Àquela altura, esse era meu plano do futuro: ganhar a vida com música!

Foram mais de 10 anos tocando em bares e montando várias bandas. Quando me tornei vocalista da Fuja Lurdes, parecia que a coisa ia dar certo! Assinamos um contrato com a Universal Music, gravamos nosso CD e… Deu tudo errado. Por problemas com empresário e gravadora, a banda não foi pra frente.

Eu já estava esgotado e tudo que eu queria era um salário garantido no fim do mês.

Por sorte, minha mãe me incentivou a fazer um curso técnico de mecânica durante esse tempo, que me possibilitou prestar um concurso da Petrobras.

Passei meses tocando em alguns botecos para pagar as contas e em seguida meti a cara nos estudos, do tipo de ficar internado mesmo. Passei! Cargo assumido, salário pingando na conta, estabilidade financeira garantida. Agora eu precisava fazer uma faculdade para passar em um concurso melhor. O plano era bem simples.

Comecei a cursar engenharia mecatrônica enquanto trabalhava na Petrobras. Engenharia não é fácil, imagina quando você precisa acordar às 4h30 da manhã para trabalhar. Além disso, eu ainda tinha ganhado bolsa de estudos em um curso da Apple, onde aprendi a programar. O resultado foi um esgotamento nervoso.

Imaginem a cena: eu, em pé no banheiro da Petrobras, acreditando que estava em frente a um mictório, quando na realidade estava fazendo xixi no lixo

E meu chefe, do meu lado, olhando e dando risada. Ele ainda tentou me consolar e disse que isso era normal, as pessoas que trabalhavam lá costumavam passar por esse tipo de “estresse”.

Nesse momento descobri que isso não era o meu objetivo de vida. O cansaço não era devido somente ao acúmulo de atividades, mas também porque eu não estava feliz naquele trabalho. Eu não via sentido no que estava fazendo. Ao mesmo tempo, o conhecimento que eu estava tendo na faculdade me abriu a cabeça para diversas possibilidades.

Com o curso da Apple, conheci o universo dos aplicativos e fiquei fascinado. As possibilidades eram infinitas. Fui para casa, conversei com a minha mulher e falei que ia largar o emprego. Entendemos que passaríamos por um período difícil, mas que não havia outra alternativa (ela já tinha largado o emprego concursado dela para ser feliz, agora era a minha vez HAHA).

Parece que minha rotina ia ficar mais light, mas não foi nada disso. Depois de formado meus apps lançados ainda davam pouca grana e mergulhei no trabalho em busca do sucesso.

Sério mesmo, eu programava mais de 10 horas por dia. E, depois de dois anos desse perrengue, percebi que não tinha sentido nenhum eu criar games só para ganhar dinheiro

Foi quando eu decidi unir à programação à minha grande paixão: a música.

Nasceu o Super Pads, um aplicativo musical que ensina as pessoas a tocarem usando os “kits de sons” lançados diariamente em um canal do YouTube. Tudo mudou. Em um ano, o app tem mais de 20 milhões de downloads no mundo, e o canal tem tem mais de 1,4 milhão de inscritos. Agora passo a falar “nós” porque agora somos em seis sócios, com uma equipe de mais de 15 pessoas. Nosso propósito é levar a música para o mundo de uma maneira muito mais acessível e divertida. É trazer novas possibilidades de aprendizado.

Mas o que mais me realiza não são esses números. Nem ver de onde eu saí e onde cheguei. É saber que eu criei algo que atinge a vida das pessoas de uma maneira positiva.

Recentemente ficamos sabendo que a primeira escola de música conectada da França utiliza nosso app para ministrar aulas. Vemos, nas redes sociais, crianças do mundo todo que sonham em se tornar músicos e DJ’s usando o Super Pads. E que pessoas normais conseguem realizar o sonho de tocar algo, mesmo sem ter tido acesso a um instrumento musical convencional ou aulas de música.

Minhas experiências de vida me ensinaram que nunca devemos deixar nossa paixão de lado em busca de dinheiro: ele vai ser a consequência de um trabalho com um propósito verdadeiro.

Tudo que passei largando a estabilidade financeira para empreender é o que me faz ter sucesso no meu negócio. Não quero me acomodar jamais

Sem eu perceber, a vida me ensinou que não era indo atrás de dinheiro que eu o encontraria. Lá no começo eu disse que meu plano era ganhar a vida com música. E isso está acontecendo, de certa maneira. Mas não me acomodo com o sucesso alcançado. Todos os dias eu continuo programando mais de 10h para realizar novas ideias.

 

Tato Levicz, 33, é engenheiro mecatrônico e criador do Super Pads e CEO da Opala Studios, startup de aplicativos mobile.

Veja também:

Como é ganhar menos, mas só fazer o que gosta? Neide Rigo, apaixonada por PANCs, escolheu essa vida

- 8 de agosto de 2018

A Coorte é uma produtora de eventos de impacto social – e também um laboratório de vida das fundadoras

- 1 de agosto de 2018
7638 5 0

Verbete Draft: o que é Job Crafting

- 11 de julho de 2018
7590 5 0
No Job Crafting, um funcionário não precisa mudar de área para que seu trabalho se torne mais prazeroso e produtivo. Ele pode transformá-lo.