Três startups brasileiras buscam uma vaga na edição global do The Venture

- 30 de novembro de 2016
Os gêmeos Lúcio e Júlio Oliveto, da LIVRE: transformando de maneira radical a experiência dos cadeirantes
Os gêmeos Lúcio e Júlio Oliveto, da LIVRE: transformando de maneira radical a experiência dos cadeirantes

 

Uma plataforma de comunicação que ajuda a integrar as pessoas surdas, um dispositivo que pode ser engatado a uma cadeiras de rodas para dar mais mobilidade aos cadeirantes e um aditivo biodegradável aplicável em vasos sanitários para reduzir o consumo de água. De forma resumida, são estes os produtos e os benefícios das três startups finalistas da etapa brasileira do The Venture, o maior campeonato de empreendedorismo social do planeta.

Em jogo está uma vaga para representar o país na etapa global da terceira edição do The Venture, disputando com empreendedores de outras 31 startups (de 31 países e seis continentes) uma fatia do fundo de US$ 1 milhão destinado a financiar e alavancar soluções inovadoras com potencial de impactar positivamente o mundo.

“Promover negócios que impulsionem o bem é uma prioridade para a Chivas Regal”, diz Flavia Molina, Diretora de Marketing da Pernod Ricard, dona da marca Chivas, que organiza o The Venture. “Há um desejo claro e crescente de mudança em todo o mundo. As pessoas querem apoiar e associar-se a empresas que estão fazendo mais do que apenas dinheiro.”

Uma das finalistas é a Hand Talk, uma startup de Maceió fundada em 2012 com foco na inclusão de pessoas surdas por meio da tecnologia. A plataforma dispõe de um avatar que traduz textos na forma da Linguagem Brasileira de Sinais (LIBRAS) e se desdobra em produtos, como um aplicativo gratuito, um tradutor para sites e projetos voltados para empresas que desejem se comunicar com essa parcela de clientes, com uso de ferramentas como totens de autoatendimento e QR Code acessíveis.

“Hoje, no mundo, são mais de 360 milhões de pessoas com deficiência auditiva”, diz Thadeu Luz, arquiteto especialista em 3D e um dos sócios da Hand Talk (junto com o publicitário Ronaldo Tenório e o analista de sistemas Carlos Wanderlan). “No Brasil, esse número é de quase 10 milhões, cerca de 5% da população. Uma realidade ainda mais impactante quando sabemos que 70% dos surdos no Brasil têm dificuldades de compreender o português e não sabem ler.”

Elevar a mobilidade e a autoestima dos cadeirantes é a missão de outra finalista do The Venture, a LIVRE, criada em 2014. Para isso, a empresa desenvolveu o Kit Livre, um acessório portátil, dobrável, com guidão, roda e uma bateria de lítio, que pode ser acoplado a qualquer modelo de cadeira de rodas manual, convertendo-a num triciclo motorizado, possibilitando seu uso sobre terrenos e superfícies irregulares e transformando de maneira divertida e radical a experiência do usuário.

“O Brasil tem 3,7 milhões de pessoas que fazem uso diário de cadeira de rodas”, diz o engenheiro mecatrônico Júlio Oliveto, sócio da empresa (com sede em São José dos Campos-SP) e inventor do acessório. “Segundo o nosso estudo, o perfil dos nossos consumidores é de pessoas que apresentam quadros de paraplegia ou tetraplegia ocasionados por lesão medular, poliomielite, mielomeningocele, esclerose lateral amiotrófica e amputação de membros inferiores.”

O terceiro finalista é a Piipee, startup de Bento Gonçalves (RS) que criou um aditivo químico biodegradável, aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que dispensa em 100% o uso de água para eliminar a urina. Aplicado por meio de um dispositivo próprio, acoplado na bacia sanitária ou no mictório sem necessidade de reforma, o produto promete reduzir o custo de empresas e residências promovendo um consumo de água mais eficiente e sustentável.

“Todos os dias, no Brasil, são consumidos mais de 8 bilhões de litros de água somente em descargas, e 80% deste consumo é apenas para eliminar urina”, diz Ezequiel Vedana da Rosa, fundador da empresa, que iniciou as vendas em novembro de 2015. “Em apenas 11 meses de operação, nossos clientes já economizaram mais de 4 milhões de litros de água.”

Uma dessas três startups será a grande vencedora da etapa brasileira da terceira edição do The Venture. Os projetos serão avaliados por um júri de cinco integrantes: Paola Carosella, chef, empresária e jurada do Master Chef Brasil; Onício Neto, fundador da Epitrack, startup vencedora do último The Venture; Sandra Boccia, diretora da revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios; Lucas Foster, fundador da Projecthub; e o time da escola de atividades criativas Perestroika. A empresa vencedora será anunciada em uma cerimônia no dia 6 de dezembro. Fique ligado!

 

banner_990x220_chivas

 

Veja também: