SPONSORS:

Verbete Draft: o que é Co-Marketing

- 12 de setembro de 2018
Um exemplo de aplicação do Co-Marketing é a parceria realizada, em 2014, pela Bacardí com a Coca-Cola: elas criaram uma caixa especial com as duas garrafas, em alusão à cuba-libre.

Continuamos a série que explica as principais palavras do vocabulário dos empreendedores da nova economia. São termos e expressões que você precisa saber: seja para conhecer as novas ferramentas que vão impulsionar seus negócios ou para te ajudar a falar a mesma língua de mentores e investidores. O verbete de hoje é…

CO-MARKETING

O que acham que é: O mesmo que Co-Branding.

O que realmente é: Co-Marketing é uma estratégia de marketing em que duas ou mais empresas (de produtos ou serviços diferentes) se unem para criar ações que visem alcançar o mesmo público e compartilhar os resultados. Segundo Erika Martins, professora de administração da ESPM, tudo pode ser compartilhado no Co-Marketing, desde tarefas, estratégias e decisões até os leads gerados. “Os clientes que se cadastram com foco em uma das empresas, provavelmente estarão interessados em algum produto ou serviço complementar e serão acionados por elas posteriormente.” Um exemplo de Co-Marketing são ações casadas por companhias aéreas e hotéis.

Já no Co-Branding, as empresas juntam seus produtos, fazendo com que um dependa da venda do outro, como por exemplo, computadores Dell com processadores Intel e sorvetes do Mc Donald’s sabor “Língua de Gato”, da Kopenhagen.

Quem inventou: Não há.

Quando foi inventado: Não há.

Para que serve: Para aumentar o alcance da ação e da base de clientes, além de reduzir custos. De acordo com Celso Henrique Sartori, professor de Marketing do Insper, o Co-Marketing serve para que marcas com posicionamento semelhantes alavanquem os benefícios e pontos de diferenciação mútuos para um mesmo público-alvo. “Na prática, busca-se aumentar a relevância de um produto ou serviço junto a um determinado público-alvo, gerando maior conexão emocional entre esse público-alvo e o produto ou serviço. É como se a equação de relevância e conexão emocional fosse 1+1=3”, afirma.

Para Erika Martins, a maior vantagem do Co-Marketing é a amplitude dos resultados e a diminuição dos custos para atingir o público alvo, uma vez que eles são divididos entre as empresas. Ela diz: “Ao fazer uma campanha individual, a empresa paga sozinha e consegue atingir um determinado número de pessoas. Utilizando as estratégias de Co-Marketing, ela dividirá de forma proporcional ou combinada com as demais parceiras e poderá, ainda, dobrar ou triplicar o alcance da comunicação”.

Quem usa: A Volvo e o parque Legoland fizeram um Co-Marketing em 2004 que promovia a direção segura. Os carros de dois brinquedos que simulam autoescolas foram rebatizados com nomes de veículos da Volvo. Em 2014, a marca de rum Bacardí e a Coca-Cola fizeram o Bacardí Oak & Coke gift pack, uma caixa especial com uma garrafa de rum, duas garrafas pequenas do refrigerante e dois copos, em alusão ao drink cuba-libre (que não foi inventado por nenhuma das duas marcas, diga-se). Desde 2016, motoristas da Uber de alguns países podem ouvir música na rádio online Pandora gratuitamente. Neste mesmo sentido, a Uber também já fez parceria com a Spotify.

Efeitos colaterais: Escolha errada tanto da parceria como do trabalho que irá ser feito em conjunto. “Se não for bem feito ou se o produto ou serviço não possuir os benefícios esperados pelo público-alvo em relação a uma ou a ambas as marcas, pode haver prejuízo ou até destruição de imagem das marcas”, diz Sartori.

Quem é contra: Empresas que tenham mindset mais conservador. Erika Martins diz que empresas mais tradicionais têm dificuldades em se adaptar à inovações desse tipo ou ao uso de tecnologias que auxiliem no compartilhamento. “Mas tanto a tecnologia quanto a inovação estão evoluindo a passos largos e torna-se necessário adaptar-se com certa urgência.”

Para saber mais:
1) Leia, no The Next Web, Co-marketing: What is it, and what can it do for your business? Por trabalhar no mercado das telecomunicações, em algumas partes do texto a autora foca nessa área.

Veja também:

“Erre com o dinheiro dos outros antes de abrir o seu próprio negócio”

- 13 de setembro de 2018

“Fui morar fora com mil dólares no bolso. É possível e vale muito conhecer outras culturas. Eis o que aprendi”

- 24 de agosto de 2018