SPONSORS:

Verbete Draft: o que é Tecnologia 5G

- 15 de agosto de 2018
O 5G ainda não opera comercialmente, mas fez sua estreia, em fevereiro, na Coréia do Sul em um teste durante as Olimpíadas de Inverno, em Pyeongchang (Imagem: korea Expose/Reprodução).

Continuamos a série que explica as principais palavras do vocabulário dos empreendedores da nova economia. São termos e expressões que você precisa saber: seja para conhecer as novas ferramentas que vão impulsionar seus negócios ou para te ajudar a falar a mesma língua de mentores e investidores. O verbete de hoje é…

TECNOLOGIA 5G

O que acham que é: Tecnologia utilizada pela IoT.

O que realmente é: Tecnologia 5G, simplificadamente falando, é a quinta geração de rede de internet. É o próximo passo da tecnologia móvel e fará com que a rede atual, a 4G, pareça tão devagar quanto sentimos a 3G hoje. A grande diferença entre as tecnologias é a velocidade. Segundo Walter Pedroso Junior, professor dos cursos superiores de Informática para Negócios e Análise e Desenvolvimento de Sistemas da Faculdade de Tecnologia do Estado (Fatec) São José do Rio Preto, enquanto a 4G tem uma taxa de transferência de até 100 Mbps (Mega bits por segundo) a da 5G será de até 20 Gbps (Giga bits por segundo). “Isso, na teoria. Na prática, esperam-se taxas entre 4.5 Gbps e 10 Gbps”, diz ele.

Um vídeo da CNBC sobre a tecnologia 5G conta que, em relação à capacidade da internet, um filme de duas horas, que leva seis minutos para ser baixado no 4G, levará três segundos e meio no 5G. Impressiona ainda mais o que fala em relação ao tempo de resposta: enquanto a rede 4G responde a nossos comandos em cerca de 50 milissegundos, a 5G fará o mesmo em cerca de 1 milissegundo, tempo 400 vezes mais rápido do que o de uma piscada de olhos.

Vale lembrar como tudo começou: a primeira geração — só retroativamente chamada de 1G — surgiu por volta de 1982 e era um sistema totalmente analógico. O salto para o digital se deu na segunda geração (2G), em 1991. Cerca de dez anos depois, veio a rede 3G, oferecendo uma taxa de dados ainda mais rápida que a anterior. Como levou também mais ou menos outros dez anos para surgir a 4G, e a 5G está prevista para 2020 (há uma corrida entre alguns países e pode ser que saia antes) é possível dizer que, historicamente (e até aqui), as gerações de rede de internet são renovadas a cada década.

Quem inventou: Uma parceria entre a NASA e a plataforma Intelligence Machine-to-Machine (M2Mi) Corp foi criada para desenvolver a tecnologia 5G, segundo um texto do Techworld que conta a história da tecnologia 5G desde 1979. A rede 5G deve seguir os requerimentos estipulados pela NGMN Alliance (Next Generation Mobile Networks Alliance), uma associação internacional de telecomunicações móveis composta por operadoras, fornecedores, fabricantes e institutos de pesquisa.

Quando foi inventada: A parceria da NASA com a plataforma M2Mi Corp aconteceu em 2008, mas a tecnologia ainda está em desenvolvimento.

Para que serve: Para a aceleração da velocidade dos dispositivos ligados à IoT (como eletrodomésticos, fechaduras, câmeras de segurança, relógio, celular etc). Mas haverá impacto também, por exemplo, nos carros autônomos, que em tese ficarão mais seguros, já que quantidade de streaming que requerem é grande. A Indústria 4.0 (automação no chão de fábrica) é outro setor que irá se beneficiar, assim como as áreas da medicina que usam robôs. Para Eduardo Endo, diretor acadêmico da FIAP, a rede 5G vai causar uma evolução nas Smart Cities. “Com a banda atual, conectar tudo em uma cidade é praticamente impossível, mas com a nova internet móvel será bem mais factível esse tipo de cidade conectada, que certamente vai revolucionar a sociedade.”

Quem usa: Como já dito, a rede 5G ainda não está comercialmente em funcionamento. China, Japão, Estados Unidos e Coreia do Sul correm para ver quem vai lançá-la primeiro (a Coreia do Sul utilizou a tecnologia como um “programa piloto” nas Olimpíadas de Inverno, este ano, em Pyeongchang). No resto do país está prevista para começar a funcionar em 2019 ou 2020. A questão é que, nessa “ânsia” pelo primeiro lugar, há divulgações de feitos e futuros lançamentos quase semanalmente: a operadora Verizon anunciou que vai instalar ainda este ano a primeira rede 5G americana e a operadora Sprint disse que vai lançar um aparelho da marca LG para a tecnologia 5G no início de 2019. O New York Times levanta a questão do porquê dessa corrida (que chama de “batalha”) e afirma que o que ajuda a explicar o fato é que estar na dianteira de novas tecnologias rende vantagens estratégicas aos países.

Efeitos colaterais: Ser pouco acessível financeiramente (pelo menos no começo). “Com o tempo, a tendência é os preços dos planos irem caindo e os aparelhos se tornarem acessíveis a uma fatia maior de pessoas, afinal, este é o padrão de todos os novos lançamentos nesta área”, afirma Endo.

Quem é contra: Não há.

Para saber mais:
1) Leia, na Techworld, A timeline of UK 5G development | The history of 5G: from 1979 to now.
2) Assista, no canal da CNBC International, no YouTube, What is 5G? | CNBC Explains.
3) Leia, no New York Times, Why Companies and Countries Are Battling for Ascendancy in 5G.
4) Leia, no Gizmodo, O 5G está chegando e os testes já devem começar no início de 2019.

Veja também:

Aos 100 anos, a Atlas Schindler mostra como pretende deixar nossos elevadores mais inteligentes

- 5 de junho de 2018
3956 2 0

“Precisamos de uma população que aprenda a discutir, que saiba reclamar. A solução de ontem não vale hoje”

- 21 de dezembro de 2017
Martha Gabriel é escritora e palestrante especialista em marketing digital e inovação.