SPONSORS:

Verbete Draft: o que são Foodtechs

- 16 de outubro de 2019
A Fazendo Futuro é uma das foodtechs em destaque no Brasil (foto: Instagram/Fazenda Futuro).

Continuamos a série que explica as principais palavras do vocabulário dos empreendedores da nova economia. São termos e expressões que você precisa saber: seja para conhecer as novas ferramentas que vão impulsionar seus negócios ou para te ajudar a falar a mesma língua de mentores e investidores. O verbete de hoje é…

FOODTECHS

O que acham que é: Prática de postar fotos de comida no Instagram.

O que realmente é: Foodtechs são empresas (geralmente startups) que utilizam a tecnologia para inovar, de forma disruptiva, o setor alimentício. Para uns, o que vem à cabeça são aplicativos de delivery; para outros, criações como carnes vegetais ou feitas em laboratório. Tudo isso é Foodtech, mas o termo é ainda mais abrangente e visa alcançar toda a cadeia alimentar.

Isso significa que dentro do conceito podem estar o uso de automação, softwares, IoT e análise de big data em fazendas de gado e agricultura (com o objetivo de torná-las mais sustentáveis), plataformas para conexão direta entre produtores e consumidores, soluções para a redução de desperdício de alimento e também para a reciclagem de embalagens.

E essas são apenas algumas das pelo menos 14 categorias elencadas pelo Foodtech Movement, organização idealizada pela consultoria Construtoria Builders que visa repensar a cadeia do alimento gerando inovação prática. Seu último levantamento mapeou 180 negócios brasileiros no setor de Foodtechs.

Edson Barbero, coordenador do Centro de Empreendedorismo da FECAP, conta que existem startups dedicadas ao ultracongelamento de alimentos, facilitando o seu armazenamento. “Dada a questão do desperdício gigantesco, tecnologias associadas à forma que podemos reutilizar e descartar os alimentos podem ser muito úteis hoje em dia”, afirma.

Origem: O termo Foodtech vem na esteira de outros como Fintech (setor financeiro), Insurtech (seguros), Proptech (construção) e Lawtech (legal) — e há mais. Pode até haver algum exagero nessa onda, mas na maioria dos casos o uso do tech como sufixo tem razão de ser: por causa da Exponencialidade (velocidade ultra acelerada com que as tecnologias têm evoluído nas últimas décadas), uma nova leva de empreendedores percebeu que podia colocar de cabeça para baixo negócios presos à tradição e inventar formas diferentes de fazer negócios. Começava aí a chamada disrupção, termo que talvez tenha se desvirtuado um pouco mas que, em sua origem, continua reinventando,por meio da tecnologia, setores que permanecem estanques. E todas essas “algumacoisatech” e as que ainda irão surgir estão aí para isso.

Investimentos: Não falta desejo no mercado para investimento em Foodtechs, principalmente nas que fazem com que o consumidor relacione mais diretamente seus hábitos com problemas como o aquecimento global, em parte causado pela produção excessiva de carne e derivados animais.  A chilena The Not Company(ou somente NotCo), que desenvolveu um algoritmo de machine learning capaz de sugerir substitutos vegetais para ingredientes de origem animal, recebeu este ano um aporte de US$ 30 milhões (e parte desse dinheiro vem de Jeff Bezos, da Amazon).

Já a brasileira Fazendo Futuro, que usou inteligência artificial para entender as moléculas da carne e língua artificial para analisar a textura de sua versão vegetal, recebeu aporte de US$ 8,5 milhões de dólares em julho, quando foi avaliada por US$ 100 milhões. O fundador da empresa, Marcos Leta, diz que o sucesso é parte da revolução de um mercado antiquado e sem inovação: o da carne de origem animal.

“O consumo de carne gera um impacto no planeta fazendo com que as pessoas, cada vez mais, tomem consciência e optem por mudanças na alimentação mas sem abdicar de seus gostos. É para essas pessoas que criamos a empresa. Não estamos entrando no mercado vegetariano ou vegano, mas no de carnes.”

As precursoras americanas Impossible Foods e Beyond Meats (fundadas em 2013) já se tornaram gigantes no mercado de alimentos e vendem sua carne vegetal para as grandes cadeias de fast food. Os produtos da Imposssible Foods estão em mais de 10 mil restaurantes. Ano passado, a Beyond Meats teve lucro de quase US$ 90 milhões. Este ano, abriu suas ações, e seu valor de mercado é de quase US$ 4 bilhões.

No fim do ano passado, a startup de delivery iFood recebeu o maior aporte privado (US$ 500 milhões) em uma empresa de tecnologia já registrado no Brasil. Em abril, a colombiana Rappi, que é sua concorrente, recebeu um aporte de US$ 1 bilhão, um dos maiores já feitos em uma startup na América Latina.

A PepsiCo tem um projeto de aceleração de startups apenas para o setor de Foodtechs: o NutritionGreenhouse. A primeira edição aconteceu no fim de 2017, na Europa e acelerou oito startups que, juntas, tiveram um crescimento de 10 milhões de euros. Um ano depois, o programa aconteceu nos Estados Unidos e deu US$ 20 mil de financiamento para cada uma das dez empresas selecionadas, além de acompanhamento e mentoria.

Controvérsias: Há cerca de 15 dias, a chef de cozinha Paola Carosella fez um post em seu Twitter dizendo que a carne vegetal (ela não citou marcas) tem gosto ruim, é ultraprocessada e oportunista. Os defensores do produto argumentaram a importância de deixar de comer carne animal por razões éticas.

Em maio, um jornalista da BBC News conversou com dezenas de trabalhadores que fazem entregas por meio de aplicativos que contaram sua rotina extenuante e mal remunerada. Esse é o principal problema da Gig Economy, que gera lucro gigantesco para as empresas, facilita a vida os usuários mas precariza as condições de trabalho. A Uber, que também atua no setor de Foodtechs com a Uber Eats, tem estado na mira de autoridades em razão disso e motoristas em vários países já fizeram greve por melhores condições de trabalho.

Para saber mais:
1) Leia, no Entrepreneur, How Food-Tech Companies are Adopting Cost-effective Business Models.
2) Leia, na Forbes, Global Food Tech Industry Expected To Reach $250 Billion By 2022.

1597 Total Views 6 Views Today
Veja também:

Em quatro anos, a Junta Local cresceu e encontrou um modelo sustentável sem abrir mão dos valores

- 6 de novembro de 2019

A Muda Meu Mundo capacita agricultores familiares no Ceará e torna os alimentos orgânicos mais acessíveis

- 28 de outubro de 2019