SPONSORS:

“Não é fácil. Você não é levada tão a sério por ser mulher”

- 25 de agosto de 2015

1951 Total Views 1 Views Today

Diana Assennato dá a real sobre ser mulher no universo essencialmente masculino dos empreendedores de startups. “Não imaginava que o mundo da tecnologia poderia ser um mundo misógino”, diz.

Era sempre assim: Ah, então você tem um blog de moda? Escreve sobre maquiagem?, perguntavam. “Não, eu tenho  uma ferramenta de social commerce”, respondia, sobre o Arco, startup que foi premiada como a melhor do Brasil em 2012 (hoje encerrada).

Diana fala de como é não ser levada tão a sério, ouvir comentários machistas.

Mas ser mulher — à época, uma das poucas que se destacavam no ecossistema — não é apenas ruim: “Notei que a mídia se interessava por ter uma mulher vendendo uma solução inovadora, pois faltam modelos femininos”.

Ouça o que ela diz sobre ser alvo preconceito: “Quando a gente tem esse tipo de dificuldade na vida, de estar num lugar e sentir que é diferente, tem que aproveitar isso em vez de achar que está no lugar errado.”

 

Play pra ver mais!

1952 Total Views 2 Views Today
Veja também:

Porto Alegre no mapa mundial da inovação: como foi a primeira edição do Tech Art Festival

- 3 de abril de 2019

A maternidade pode arruinar o sexo? É isso que a Pitaya, consultoria e sex shop para mães, quer mudar

- 20 de março de 2019