SPONSORS:

A Shop4Help compara preços e reverte o valor de compras para doações

- 28 de março de 2016
shop4help

Nome:
Shop4Help.

O que faz:
É uma plataforma de comparação de preços, onde o usuário pode comprar e doar parte do valor para a causas diversas de instituições.

Que problema resolve:
O Shop4Help permite a captação de recursos livres, sem vinculação a um projeto específico, cabendo à instituição decidir onde aplicá-lo. Para o cliente, além de economizar muito nas compras online, sua doação pode ajudar a manter projetos realmente importantes em todo o país.

O que a torna especial:
A plataforma faz parte da economia solidária, de organizações que contribuem no desenvolvimento de uma sociedade mais igualitária. Ela trabalha com um sistema de cashback, onde 50% da comissão da venda realizada é retornada em forma de doação para uma instituição escolhida pelo comprador. O preço que o cliente paga é exatamente o mesmo se fosse comprar diretamente na loja. Não há custo adicional para o cliente ou qualquer custo para a instituição.

Modelo de negócio:
A empresa fica com 50% da comissão de cada venda realizada.

Fundação:
Outubro de 2015.

Sócios:
Luiz Gouvêa – Diretor-presidente
Rodrigo Felismino – Diretor executivo
LSGPar Empreendimentos e Participações

Perfil dos fundadores:

Luiz de Souza Gouvêa – 77 anos, Rio de Janeiro (RJ) – é empresário e empreendedor carioca. Fundou o escritório de advocacia Gouvêa Advogados, lecionou na PUC-RJ e também foi desembargador no Estado do Rio de Janeiro.

Rodrigo Felismino – 43 anos, Londrina (PR) – formado e especializado em Relações Internacionais. Atua desde 2003 no desenvolvimento de novos negócios. É sócio-fundador da Consvita ThinkerLab, empresa especializada em transformar ideias em negócios.

Como surgiu:
A Shop4Help nasceu com a missão de ser uma empresa muito lucrativa e, ao mesmo tempo, apoiar financeiramente instituições sérias do mundo e aproximá-las mais do seu público-alvo, diz o fundador Luiz Gouvêa. A ideia da startup surgiu quando, já aposentado do cargo público, o empreendedor resolveu voltar sua atenção para causas beneficentes. Passados 80 dias depois da primeira reunião de modelagem, ele e os demais sócios lançaram o portal.

Estágio atual:
A plataforma está em sua terceira onda de desenvolvimento, a disponibilização da ferramenta em aplicativos para dispositivos móveis que usam iOS, Android e WindowsPhone. Todo o desenvolvimento e operação ocorrem em Foz do Iguaçu (PR), no espaço colaborativo das empresas que compõem a Consvita ThinkerLab. Atualmente, a Shop4Help conta com 500 clientes e 36 Instituições cadastradas.

Aceleração:
Todo o financiamento das ondas de desenvolvimento são de responsabilidade da LSGPar Empreendimentos e Participações. A aceleração conta com o apoio da Consvita ThinkerLab.

Investimento recebido:
Até o momento, foram recebidos 121 mil reais.

Necessidade de investimento:
A empresa não está em busca de investidores.

Mercado e concorrentes:
“Há uma infinidade de instituições que precisam de recursos e, a cada dia, aumenta o percentual de pessoas que realizam compras pela internet. E a Shop4Help aproxima quem precisa de recurso daquele que, naturalmente, já está comprando”, diz Luiz Gouvêa. Os concorrentes são empresas que também usam o sistema de cashback, que revertem dinheiro de volta para o próprio consumidor, como o Méliuz e o Cashola, além d’O Polen,  que tem a mesma proposta de transformas compras em doações.

Maiores desafios:
Alcançar a grande massa que faz compras online e criar nelas o hábito de realizar suas compras através da plataforma. Para facilitar ainda mais o processo, a empresa lançou um sistema que é instalado no navegador do cliente que o lembra de realizar a doação.

Faturamento:
Não informado.

Previsão de break-even:
Em três anos.

Visão de futuro:
A startup já começou seu movimento de internacionalização, a partir do apoio de instituições internacionais que já estão cadastradas no Shop4Help. “Queremos ser mundialmente relevantes para essas instituições e captar recursos em escala global para auxiliar no financiamento de causas sérias em qualquer lugar do mundo”, diz Luiz.

 

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

 

Veja também:

Verbete Draft: o que é Human Economy

- 22 de março de 2017
Na foto, funcionários da companhia aérea SouthWest. Quando um voo atrasa para que um avô não perca o velório de seu neto (o caso é relatado no texto), o que está em evidência são as pessoas, e não só o lucro.

Na Risü, reverter compras em doações é um negócio sustentável que fortalece causas sociais

- 6 de março de 2017
Com 4,5 mil reais de capital, Lucas Borges, Rodrigo Franzot e Francis Andrade e Matheus Godinho (ausente na foto) criaram um site para transformar compras online em doações.

“Como é levar conceitos de economia criativa à periferia e ver a transformação social acontecer no seu nariz”

- 25 de novembro de 2016
Sérgio Miletto conta como uma parceria inédita com o British Council levou à periferia de São Paulo um projeto que multiplicou a formação de negócios criativos nessas áreas. E o que aprendeu com isso.