SPONSORS:

Chico Saboya e o Porto Digital, no Recife: tudo que você precisa saber sobre o polo tecnológico

- 14 de julho de 2016
Chico Saboya, presidente do Porto Digital, faz um balanços dos 15 anos de existência do polo tecnológico e projeta os próximos 15.
Chico Saboya, presidente do Porto Digital, faz um balanços dos 15 anos de existência do polo tecnológico e projeta os próximos 15.

O motorista não fez cerimônia quando pegou os dois passageiros no aeroporto em Guarulhos. Começou a puxar papo. Disse que que já havia trabalhado na área de TI, que foi taxista e tinha aderido ao Uber recentemente. “Crise, crise, tudo em crise. Só não tem lá no Recife. Porque lá criaram um Porto Digital. É um eldorado”. Ele não sabia — não sabe até hoje — que levava o presidente do Porto Digital, Francisco Saboya, o Chico, e o assessor de comunicação Rossini Barreira. A viagem a São Paulo, em junho, foi para mostrar a jornalistas paulistas por que o Porto Digital é, sim, um eldorado no mapa da inovação brasileira.

Já de volta ao Recife, Saboya, economista e presidente do Porto Digital há nove anos, contou a história do taxista ao falar com o Projeto Draft. Ele nos recebeu no prédio do Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), a organização social (OS) sem fins lucrativos que administra o parque. O edifício fica no Bairro do Recife, uma ilha onde a cidade brotou cinco séculos atrás, entre o mar e o Rio Capibaribe.

O Porto Digital fica numa ilha, no Bairro do Recife, e ajudou a revitalizar o local.

O Porto Digital fica no Bairro do Recife, um ilha onde a cidade nasceu, e que foi revitalizada na última década.

Uma área que, depois da criação do parque tecnológico, há 15 anos, conseguiu receber atenção suficiente para ser em parte restaurada e voltar a ser frequentada pelos recifenses. Mesmo ainda carecendo de cuidados, o local é também onde borbulham conexões e ideias em escritórios, elevadores, cafés, coworkings e restaurantes. Um ecossistema focado em empreendedorismo inovador, principalmente por conta de startups da área de tecnologia da informação.

Saboya, além de gostar de prosear, diz que sempre precisa explicar o que é o Porto Digital — algo que faz muitas vezes até para pernambucanos. Das várias formas de descrever o parque tecnológico, uma delas é dizer que ele é praticamente um sistema local de inovação, já que reúne agentes do mercado, da academia e da gestão pública (com seus respectivos instrumentos) em prol da inovação. Há leis municipais e estaduais específicas para o polo, assim como diversos convênios com o governo federal. Os programas gratuitos do Porto Digital envolvem negócios desde o estágio inicial até a aceleração.

UMA ESTRUTURA QUE ATRAI EMPRESAS

Números recheiam a conversa. Hoje o Porto Digital engloba uma área de 80 mil m² (em vários endereços, não apenas na ilha, é bom dizer), tem 260 empresas, em que trabalham 8 500 pessoas, gerando um faturamento anual de 1,4 bilhão de reais. Resultados como esses, unidos ao ambiente criativo que cresceu na esteira do polo — e a um custo de pessoal altamente qualificado até 25% mais barato do que São Paulo — são os argumentos usados para atrair médias e grandes empresas ao local.

Urbanismo é um dos focos do Porto Digital. O Carro Leve é um sistema de compartilhamento de veículo elétrico, em operação desde o início deste ano.

Urbanismo é um dos focos do Porto Digital. O Carro Leve (acima) é um sistema de compartilhamento de veículo elétrico, em operação desde o início deste ano.

A Accenture aportou lá há cinco anos, com 40 pessoas: hoje tem 1 600 empregados e vai fechar o ano com 2 500. A Fiat Chrysler Automobiles (FCA) instalou na área do Porto Digital seu primeiro Centro de Desenvolvimento de Softwares da América Latina, que deverá empregar 500 pessoas nos próximos anos. “O Porto Digital é mais percebido pelos seus resultados do que pelo seu conceito, seja através da requalificação urbana e restauração do patrimônio arquitetônico do Bairro do Recife, ou dos empregos e riquezas gerados”, afirma Saboya.

Mas não foram esses números que fizeram ele e Rossini pegarem um avião até São Paulo. Referência nacional na área de tecnologia da informação, o polo já abraçou a economia criativa e agora entra forte em prototipagem e internet das coisas, com foco em soluções para cidades. Esse terceiro canal de atuação foi a novidade que os executivos puseram na bagagem .

PROCURAM-SE LOUCOS

O Laboratório de Objetos Urbanos Conectados (L.O.U.Co), um laboratório aberto e gratuito de inovação focado em internet das coisas, foi inaugurado pelo Porto Digital no Recife em maio deste ano. No makerspace, qualquer pessoa com uma boa ideia pode construir seus protótipos, mesmo que não tenha um plano de negócios debaixo do braço. “O usuário é qualquer um que pense a cidade”, diz Saboya. No espaço, estão disponíveis equipamentos como impressoras 3D e de circuitos elétricos, cortadores a laser, sensores e fresa de precisão:

“Se você olhar para o futuro, qualquer cenarista vai dizer que ele passará, entre outras tecnologias, pela manufatura aditiva (a que usa impressoras 3D) e internet das coisas. É o que estamos fazendo”

O executivo comenta que a criação de soluções criativas para as cidades é a meta para os próximos anos. “O L.O.U.Co é um espaço de estímulo à experimentação e à inovação, de onde surgirão novos negócios inovadores, em especial uma nova geração de empreendimentos que tenham a cidade e seus problemas como foco”, diz.

O Louco é um makerspace bem equipado, onde os inovadores do Porto Digital podem construir e testar protótipos.

O L.O.U.Co é um makerspace com equipamentos de ponta, onde estudantes e os inovadores do Porto Digital podem construir e testar protótipos.

Segundo o presidente do Porto Digital, estruturas como o L.O.U.Co fazem parte de uma estratégia de atratividade, que vai da decoração dos ambientes aos recursos disponíveis. Algo bem aparente em unidades do polo na área de economia criativa, como o Portomídia, focado na produção audiovisual, no Recife; e o Armazém da Criatividade, em Caruaru (no agreste pernambucano). Ambos com estruturas e equipamentos modernos e disponíveis para educação e criação em diversos segmentos. “O negócio é atrair gente interessante”, diz Saboya.

COMO É O JEITO PERNAMBUCANO DE INOVAR

Pernambucanos não gostam de ser comparados com nada nem ninguém. Com o Porto Digital não é diferente. Quando o polo foi criado, no ano 2000, o grupo fundador fazia uma brincadeira interna que acabou se espalhando: o Porto Digital seria o “Delta do Capibaribe”. “Era uma coisa bem pernambucana, nessa história de ser o maior em alguma coisa. Dissemos que o Delta do Capibaribe ia ser maior do que o Vale Silício. Pagamos por isso até hoje”, conta ele, entre risos. “Não somos o Vale do Silício.”

Ele afirma que a composição e a dinâmica do parque tecnológico pernambucano não dão espaço para a comparação com o polo norte-americano: “Para os próximos cinco anos, o Porto Digital quer consolidar-se como polo de desenvolvimento de soluções criativas para as cidades e seus problemas. E nada disso vem em substituição ao que está posto. Vamos continuar sendo um plataforma de negócios inovadores”.

O que já está posto é a participação de Pernambuco no movimento de inovação na área de TI. Saboya conta que a área começou a desenhar sua trajetória ainda nos anos 1970, quando a IBM instalou uma unidade no Estado; e também na década de 1980, quando o pernambucano Banorte fornecia sistemas para os maiores bancos do País. Referências que têm como fonte o Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco (CIn/UFPE) e, mais recentemente, o Cesar (Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife), fundado há 20 anos.

A partir do Cesar, a mudança começou a ganhar novo fôlego. Essa retomada abriu caminhos para a criação do Porto Digital, cujo investimento inicial, de 33 milhões de reais, veio da privatização da Companhia Energética de Pernambuco (Celpe). Em sua fundação, o Porto Digital tinha como foco a TI e tornou-se conhecido por isso. Tanto que soa até mal para uma empresa pernambucana da área não ter o “selo” do Porto Digital.

“As empresas buscam pessoal qualificado, espaços empresariais apropriados e de boa qualidade, interação com governo, com outras empresas e acesso à inovação. São Paulo tem tudo isso mais do que o Recife, mas aqui temos mais talentos, somos muito mais articulados, conversamos muito mais entre nós”, afirma Saboya. “Temos equipamentos disponíveis, conexões à vontade, e aqui as sinergias são intensamente vivenciadas, até no elevador, literalmente nos elevator pitches.”

DORES DO CRESCIMENTO E PLANOS PARA O FUTURO

O crescimento do Porto Digital não passou incólume, entretanto, ao conflito de gerações. No início desta década, novos empreendedores insatisfeitos e em busca de independência começaram um movimento de emancipação, inclusive migrando para outras áreas da cidade. Isso culminou na criação da Manguezal, uma comunidade empreendedora local, que hoje cresceu e amadureceu, mas interage melhor com o polo especialmente através de suas novas estruturas, como a Jump Brasil — a aceleradora do Porto Digital, inaugurada em 2014 e instalada no bairro de Santo Amaro.

A Jump é uma aceleradora criada dentro do Porto Digital.

A Jump é uma aceleradora do Porto Digital que funciona no bairro de Santo Amaro, integrado há pouco ao parque tecnológico.

Santo Amaro, área central do Recife, fica a 2km do NGPD e passou a fazer parte do parque recentemente. Essa abrangência geográfica dos benefícios do Porto Digital (com vantagens como acesso à redução de ISS de 5% para 2%) também chegou a Santo Antônio, outro bairro próximo ao Recife Antigo.

Tais ampliações são necessárias devido à projeção de que, segundo Saboya, o parque tecnológico vai comportar 20 mil pessoas até 2022. Para isso, a área atual de 80 mil m² terá de crescer 125%. Uma área de 20 mil m² está recebendo novas construções e a restauração de prédios históricos.

Contudo, ele acredita que os desafios orgânicos do Porto Digital não serão barreiras relevantes nos próximos 15 anos. Ainda que a megalomania pernambucana não fosse suficiente para manter a autoestima dos empreendedores do polo tecnológico em alta, a necessidade de inovação made in Brasil manteria a roda do Delta do Capibaribe girando.

DRAFT CARD

Draft Card Logo
  • Projeto: Porto Digital
  • O que faz: Fomenta o empreendedorismo inovador
  • Sócio(s): É uma OS gerida por um conselho com representantes das empresas, da universidade, da Prefeitura e do Governo Estadual
  • Funcionários: 62
  • Sede: Recife
  • Início das atividades: 2000
  • Investimento inicial: R$ 33 milhões, vindos com a privatização da Companhia Energética de Pernambuco (Celpe)
  • Faturamento: R$ 1,4 bilhão (em 2015)
  • Contato: portodigital@portodigital.org
Veja também:

Como a Pipoca, que nasceu no Carnaval, se tornou uma produtora de projetos culturais essencialmente na rua

- 29 de novembro de 2017
A equipe da Pipoca. Em pé: Zé (Rogério Ferreira), Guilherme Pereira, Felipe Menasche, Catherine Nakiri, Marcos Credie. Sentados: Karina Valenzuela e Rogério Oliveira.

Acessibilidade é bom para todos, não só cadeirantes. Assim é o Guiaderodas, app que está ganhando o mundo

- 25 de outubro de 2017
Bruno Mahfuz é cadeirante desde os 17. Ele criou um aplicativo, premiado pela ONU, que informa a acessibilidade dos lugares e também uma consultoria para ajudar a tornar o mundo mais inclusivo.

A Muove usa tecnologia e conhecimento especializado em cidades para melhorar a gestão pública

- 12 de setembro de 2017
Ricardo Ramos e Rodolfo Fiori fundaram a Muove para ajudar, com análise de dados, na gestão de pequenos municípios.