SPONSORS:

O Fala Cidadão é um app que conecta a população à gestão pública

- 23 de novembro de 2018

Nome:
Fala Cidadão.

O que faz:
É um aplicativo que conecta os cidadãos à gestão pública.

Que problema resolve:
Busca ser um canal direto para a população comunicar eventuais problemas à prefeitura, aumentando a eficiência da administração pública.

O que a torna especial:
O app é modelado de acordo com as necessidades de cada cidade atendida.

Modelo de negócio:
A startup cobra uma licença anual das prefeituras pelo uso da ferramenta.

Fundação:
Março de 2016.

Sócios:
Carlos Eduardo Pires — CEO
André Luis da Rosa — Diretor de Marketing
Marcos Teixeira — Diretor de TI

Perfil dos fundadores:

Carlos Eduardo Pires — 38 anos, Nova Hamburgo (RS) — é formado em Marketing pela ESPM. É sócio-fundador da agência WPlay Marketing Interativo.

André Luis da Rosa — 37 anos, Campo Bom (RS) — é formado em Design pela Universidade Feevale. É sócio-fundador da agência WPlay.

Marcos Teixeira — 35 anos, São Leopoldo (RS) — é técnico em Programação pelo Instituto Concórdia. Trabalhou na Catânia Studio Digital.

Como surgiu:
Carlos conta que, um dia, ele e os sócios estavam em frente da agência digital onde trabalham quando repararam que havia uma cratera na rua.  “Várias vezes já havíamos conversado sobre como poderíamos criar um canal direto com a prefeitura para resolver esse tipo de problema”, diz o CEO. O trio teve, então, a ideia de desenvolver um aplicativo para a cidade de Gramado, que foi o município piloto do Fala Cidadão.

Estágio atual:
A startup conta com cinco funcionários e 20 cidades atendidas em seis estados (RS, PR, MG, SP, RJ e PE).

Aceleração:
Não teve.

Investimento recebido:
Os sócios receberam um aporte de investidores de 500 mil reais em troca de 20% das ações.

Necessidade de investimento:
Os empreendedores buscam captar 4 milhões de reais para expandir a operação para Portugal e Moçambique.

Mercado e concorrentes:
“A demanda por uma solução eficaz de ouvidoria é cada vez maior”, fala Carlos, que cita como concorrentes o Colab e o Fiscalize.

Maiores desafios:
O CEO aponta como maior desafio a burocracia para a contratação por parte das prefeituras.

Faturamento:
Cerca de 30 mil por mês.

Previsão de break-even:
2020.

Visão de futuro:
“Queremos ser um Hub de serviços para os habitantes de diversas cidades do Brasil e do mundo”, afirma Carlos.

Onde encontrar:
Site
Contato

 

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho, mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

Veja também:

O Grupo Tellus descontinuou um braço de atuação e cresceu 150% focado em design de serviços públicos

- 23 de maio de 2019

Na WeGov, o sonho de mudar o serviço público brasileiro se tornou um modelo de negócios

- 25 de dezembro de 2017
André e Gabriela Tamura (no centro, à frente), no lançamento do HubGov, programa da WeGov orienta servidores públicos na criação de soluções para problemas nas instituições.

A Muove usa tecnologia e conhecimento especializado em cidades para melhorar a gestão pública

- 12 de setembro de 2017
Ricardo Ramos e Rodolfo Fiori fundaram a Muove para ajudar, com análise de dados, na gestão de pequenos municípios.

Campus Party 2016 – O melhor do dia #3

- 29 de janeiro de 2016

MGov: Como a ‘velha’ tecnologia pode inovar na solução de desafios globais

- 13 de maio de 2015
Guilherme Lichand, da MGov